The takeover of social policy by financialization. The Brazilian paradox.

Pierre Salama

Resumo


Entre 1970 e 2010 a taxa de fecundidade no Brasil baixou 67%, passando de 5,8 para 1,9 filhos por mulher. Em 2020 deverá rondar os 1,7. A estrutura da população deverá, portanto, continuar a mudar, com uma participação cada vez mais importante da população idosa devido à diminuição da natalidade e ao aumento da esperança de vida. Em 2040, a população de mais de 65 anos deverá ser superior à que terá entre zero e catorze anos, segundo os cálculos do Ipea (novembro de 2017). A relação ativo/inativo continuará portanto a baixar, o que não deixará de suscitar sérios problemas de financiamento no que diz respeito às aposentadorias por repartição. Com o envelhecimento da população, o custo da saúde deverá aumentar sensivelmente, na medida em que os tratamentos são mais caros para as pessoas idosas do que para as jovens. Enfim, levando em conta a evolução da tecnologia, os números de anos de escolaridade e de frequência das universidades deverão crescer, e o custo total da educação deverá aumentar, apesar da diminuição relativa do número de jovens na população. [CONTINUA]


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br