Desenvolvimentismos, inclusão social e papel do Estado

Maria de Lourdes Rollemberg Mollo

Resumo


Após muitos anos de esquecimento das teorias e políticas de desenvolvimento nos debates econômicos – uma das consequências danosas da dominação neoliberal – o Brasil conheceu, particularmente nos anos 2000, uma retomada dessas preocupações. Devemos aos estudos de Bresser-Pereira (2001), no início do novo século, a ruptura de tal silêncio. Desde então um debate importante tem se desenvolvido no Brasil sobre o desenvolvimentismo, suas vertentes mais modernas e as políticas a priorizar para alavancar o desenvolvimento, bem como as variáveis chaves de política econômica nesse processo.

O debate reconhece, em primeiro lugar, que os argumentos neoliberais de que o crescimento e o desenvolvimento devem ser deixados às forças de mercado não são pertinentes, havendo a necessidade de uma ação deliberada do Estado para se relançar o crescimento com melhora das rendas mais baixas, como mencionava Prebisch (1961) nas discussões desenvolvimentistas latino-americanas do passado. 

De lá para cá vários foram os trabalhos discutindo o tema, seja do ponto de vista conceitual (FONSECA, 2015), ou sob a forma de análises históricas (FONSECA ; MOLLO, 2011), seja do ponto de vista de análises e propostas de medidas de política e variáveis chaves no processo de desenvolvimento (SICSÚ;  DE PAULA; MICHEL, 2005 e 2007; MORAIS ; SAAD-FILHO, 2011; BASTOS, 2012, BIELSCHOWSKY, 2001 e 2012; CARNEIRO, 2012, BRESSER-PEREIRA, 2004, 2006, 2007, 2011 e 2012; OREIRO, 2012; FERRARI FILHO; FONSECA, 2013, MOLLO ; FONSECA, 2013, MOLLO; AMADO, 2015 e MOLLO, 2015, entre outros).  Este trabalho dá sequência a esse debate, discutindo entre as propostas para relançar a economia qual deveria ser priorizada em termos de maior inclusão social, mas principalmente qual deveria ser o papel do Estado e as necessidades e os desafios para que ele possa cumpri-lo a contento.

De forma a discutir tais questões o texto contém um primeiro item que resenha o debate com a ortodoxia, destacando os aspectos a serem aqui discutidos. Em seguida, no segundo item, chama atenção para as divergências entre os desenvolvimentismos propostos, elencando razões para a escolha realizada. Por fim, o terceiro item analisa como deve ser o papel do Estado, quais os problemas enfrentados para que tal papel seja cumprido e discute algumas alternativas de solução. Ao final do artigo encontram-se algumas considerações sumariando as principais conclusões.


Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, A. M.; MOLLO, M. L. R. . The ‘developmentalism’ debate in Brazil: some economic and political issues. Review of Keynesian Economics, vol. 3, n. 1, 2015.

BIELSCHOWSKY, R. . Anotações sobre a estratégia de crescimento do mercado interno de consumo popular e o programa do PT para 2003-2006. São Paulo: Instituto da Cidadania, 2001. Mimeo, 2001.

_______ . Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e Sociedade, número especial, vol. 21, , dez. 2012, p. 729-747.

BLANCHARD, O. J. . Crowding-out. The New Palgrave Dictionary of Economics. 2. ed, 2008.

BRESSER-PEREIRA, L. C.. (Org.) Populismo Econômico: Ortodoxia, Desenvolvimentismo e Populismo na América Latina. São Paulo: Nobel, 1991.

_______ . Decisões Estratégicas e “Overlapping Consensus” na América Latina. Revista de Economia Política, vol. 21, n. 4 (84), dez. 2001.

______ . Novo-Desenvolvimentismo. Folha de S. Paulo, 19/9, 2004.

______ . O Novo Desenvolvimentismo e a Ortodoxia Convencional. São Paulo em Perspectiva, 20 (3), 2006, p. 5-24.

______ . Estado y Mercado en el Nuevo Desarrollismo. Nueva Sociedad, 210, Jul./Agosto. 2007, p. 110-125.

______. Doença holandesa e sua neutralização. Revista de Economia Política, vol. 8, n. 1 (109), jan./mar. 2008.

______ . An Account of New Developmentalism and the Structuralist Macroeconomics. Revista de Economia Política, vol. 31, n. 3, 2011, p. 493-502.

_______ . Structuralist Macroeconomics and the New Developmentalism. Brazilian Journal of Political Economy, vol. 32, n. 3 (128), July/Sept. 2012, p. 347-366.

BRUNHOFF, S. . Etat et capital. Paris: Maspero, 1982.

CARNEIRO, R. . Velhos e Novos Desenvolvimentismos. Economia e Sociedade, número especial, vol. 21, dez. 2012, p. 749-778.

FERRARI FILHO, F.; FONSECA, P. D. Qual Desenvolvimentismo? Uma proposição à la wage-led keynesiano-institucionalista. Anais do 41º Encontro Nacional de Economia – ANPEC, Foz do Iguaçu, dez. 2013.

FOLEY, D. Realization and Accumulation in a Marxian Model of the Circuit of Capital. Journal of Economic Theory, 28 (2), 1982, p. 300-319.

FONSECA, P. C. D.; MOLLO, M. L. R. Metalistas e Papelistas no Brasil: origens teóricas e antecedentes do debate entre monetaristas e estruturalistas no Brasil. Nova Economia, vol. 22 (2), maio/ago. 2012, p. 203-233.

GOBETTI, S. W. Ajuste Fiscal no Brasil: os limites do possível. IPEA, Texto para Discussão 2037, fev. 2015.

GOBETTI, S. W.; ORAIR, R. O. Distribuição e Tributação da Renda no Brasil: novas evidências a partir das Declarações das Pessoas Físicas. Portal da Economia do José Roberto Afonso, 2015, Disponível em: .

_______ . Progressividade Tributária: a agenda negligenciada. IPEA, Texto para Discussão 2190, 2016.

HICKMAN, C. M.; SALVADOR, E. S. (Org.) . 10 Anos de Derrama: a distribuição tributária no Brasil. Brasília: Unafisco, 2007.

HOLLOWAY, J. The state and every day struggle. In: CLARKE, S. (Ed.).The state debat. London: Macmillan, 1991.

KEYNES, J. M. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e do Dinheiro. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1970.

KRUEGER, A. The Political Economy of the Rent-Seeking Society. American Economic Review 64 (3), 1974, p. 291–303.

LOPES, M. L; MOLLO, M. L. R. O debate sobre a redução do déficit fiscal no Brasil: uma crítica pós-keynesiana. Nova Economia, vol. 21 (1), jan./abr. 2011, p. 67-103.

MARX, K. O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

MEDEIROS, M.; SOUZA, P. H. G. F.; CASTRO, F. A. A estabilidade da desigualdade de renda no Brasil, 2006 a 2012: estimativa com dados do imposto de renda e pesquisas domiciliares. Ciência & Saúde Coletiva, 20 (4), 2015, p. 971-986.

MOLLO, M. L. R. The Endogeneity of Money: Post-Keynesian and Marxian Concepts Compared. Research in Political Economy, vol. 17, 1999, p. 3-26.

_______ . A concepção marxista de Estado: considerações sobre antigos debates com novas perspectivas. Economia, ANPEC, vol. 2, n. 1 – jan./jun. 2001 e em CHITOLINA, C. L. ; PEREIRA, J. A. ; OLIVEIRA, L. B. e BORDIN, R. A. (Orgs.) Estado, indivíduo e sociedade: problemas contemporâneos. Jundiaí Paco Editorial, 2012.

_______ . Ortodoxia e Heterodoxia Monetárias: A Questão da Neutralidade da Moeda. Revista de Economia Política, vol. 24, n. 3, 2004, p. 323-343.

_______ . O debate desenvolvimentista: reflexões sobre alternativas desenvolvimentistas marxistas. Revista de Economia Política, vol. 35, n. 4 (141), out./dez. 2015, p. 745-762.

______.; AMADO, A. M.. O debate desenvolvimentista no Brasil: tomando partido. Economia e Sociedade. Campinas, vol. 24, n. 1 (53), abr. 2015, p. 1-28.

______.; FONSECA, P. D. Desenvolvimentismo e Novo-Desenvolvimentismo: raízes teóricas e precisões conceituais. Revista de Economia Política, vol. 22, n. 2 (131), abr.-/jun. 2013, p. 222-239.

MORAIS, L.; SAAD-FILHO, A. Da Economia Política à Política Econômica: o Novo-Desenvolvimentismo e o Governo Lula. Revista de Economia Política, 31 (4), out./dez. 2011.

OREIRO, J. L. C. . Novo-desenvolvimentismo, crescimento econômico e regimes de política monetária. Estudos Avançados, 26 (75), 2012a.

PIKETTY, T. . Le Capital au XXI siècle. Paris: Seuil, 2013.

PIKETY, T.; SAEZ, E. Top Incomes and the Great Recession: Recent Evolutions and Policy Implications. IMF Economic Review, vol. 61, n. 3, 2013.

PREBISCH, R. O Falso Dilema entre Desenvolvimento Econômico e Estabilidade Monetária. Revista de Ciências Econômicas, 1961.

SICSÚ, J.; PAULA, L. F.; MICHEL, R. Introdução. In: Novo-Desenvolvimentismo: um Projeto Nacional de Crescimento com Equidade Social. Barueri-SP: Manole e Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 2005.

________. Por que novo-desenvolvimentismo? Revista de Economia Política, vol. 27, n. 4 (108), out./-dez. 2007.

SPENCER, R. W.; YOHE, W. P. . The 'Crowding Out' of Private Expenditures by Fiscal Policy Actions. Federal Reserve Bank of St. Louis Review, Oct. 1970, p. 12-24.

TAKASAGO, M.; GUILHOTO, J.; MOLLO, M. L. R. . O debate desenvolvimentista no Brasil: discutindo resultados da matriz de insumo-produto. Planejamento e Políticas Públicas, no prelo, 2017.

TANZI, V. . The Challenges of Taxing the Big. Revista de Economia Mundial, 37, 2014, p. 23-40.

Unafisco . Sistema Tributário e Seguridade Social – Contribuições para o Brasil. Brasília: Sindifisco Nacional – ANFIP, jun. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Maria de Lourdes Rollemberg Mollo

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2220-1829
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por

   

 

Associados Patronos do Centro Celso Furtado