Uma avaliação das políticas desenvolvimentistas nos governos do PT

Daniela Prates, Barbara Fritz, Luiz Fernando de Paula

Resumo


No período recente, a economia brasileira passou por altos e baixos. No início dos anos 2010, tornou-se referência internacional por ter se recuperado rapidamente do
efeito-contágio da crise financeira global (CFG), retomando a trajetória de crescimento econômico com distribuição de renda observada no período precedente (2004-2007).
O Brasil também ganhou atenção especial por estar indo contra a tendência global de concentração de renda. Poucos anos depois, no biênio 2015-2016, o país enfrentou a pior crise econômica registrada na história. Seu PIB per capita, em 2016, foi mais de 10% menor que o registrado em 2013 e a participação da produção industrial, tanto no PIB como nas exportações, recuou significativamente. Além da crise política que culminou no impeachment da presidenta Dilma Rousseff em agosto de 2016, há um intenso debate sobre as causas econômicas da crise.


Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, J.R.; FAJARDO, B. Evolução da taxa de investimentos e a indução pelo setor público. Nota técnica

IBRE/FGV, Rio de Janeiro, 2015.

ALMEIDA, J. S.; NOVAIS, L. F. Indústria e política industrial no contexto pós-crise. In: NOVAIS, L. F.

et al. (Orgs). A economia brasileira no contexto da crise global. São Paulo: Fundap, 2014.

BAN, C. Brazil’s liberal neo-developmentalism: New paradigm or edited orthodoxy? Review of International

Political Economy, vol. 20, n. 2, p. 298-331, 2013. Disponível em:

2012.660183>. Acesso em: 13 fev. 2016.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em: .

Acesso em: 24 mar. 2016.

BARBOSA FILHO, F. H.; PESSOA, S. Desaceleração recente da economia. In: CDPP [Centro de Debate

de Políticas Públicas] (Org.). Sob a luz do Sol: uma agenda para o Brasil, 2014, p. 15-30.

BARBOSA, N. Latin America: counter-cyclical policy in Brazil: 2008-09. Journal of Globalization and

Development. vol. 1, n. 1, p. 1-12, 2010.

BASTOS, P. P. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social-desenvolvimentismo. Economia

e Sociedade, vol. 21, número especial, p. 779-810, 2012.

_______. Austeridade para quem? A crise global do capitalismo neoliberal e as alternativas no Brasil. Texto

para Discussão, Instituto de Economia da Unicamp. n. 257, 2015.

BIELSCHOWSKY, R. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil. Economia e

Sociedade, vol. 21, número especial, p. 729-748, 2012.

_______. Structuralist reflections on current Latin American development. In: FRITZ, B.; LAVINAS, L.

(Eds.). A moment of equality for Latin America? Challenges and limits for redistributive policies. Burlington:

Ashgate, 2015, p. 129-144.

BLANCHARD, O.; DELL’ARICCIA, G.; MAURO, P. Rethinking macroeconomic policy. IMF Staff Position

Note SPN/10/03, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C. From old to new developmentalism in Latin America. In: OCAMPO, J. A.;

ROS, J. (Orgs.). The Oxford Handbook of Latin American Economics. Oxford: Oxford University Press,

, p. 108-130.

_______. Reflecting on new developmentalism and classical developmentalism. Working paper, FGV, São

Paulo, n. 395, 2015.

CANUTO, O.; LEIPZIGER, D. M. (Orgs.). Ascent after decline: Regrowing global economies after the

great recession. Washington D.C.: World Bank, 2012.

CARNEIRO, R. M. Velhos e novos desenvolvimentismos. Economia e Sociedade vol. 21, número especial,

p. 749-778, 2012.

CHESNAIS, F. Introduction générale. In: CHESNAIS, F. (Coord.) La Mondialization financière: genèse,

coût et enjeux. Paris: Syros, 1996, p. 11-33.

FONSECA, P. C. D. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In: CALIXTRE, A; BIANCARELLI, A.;

CINTRA, M. A. (Orgs.). Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: Ipea, 2014, p. 29-78.

FRITZ, B.; LAVINAS, L. (Orgs.). A moment of equality for Latin America? Challenges and limits for redistributive

policies. Burlington: Ashgate, 2015.

_______; PAULA, L. F.; PRATES, D. M. Developmentalism at the periphery: can productive change and

income redistribution be compatible with global financial asymmetries? desiguALdades, Working

Paper Series n. 101, 2017.

GOBETTI, S. W.; ORAIR, R. Progressividade tributária: a agenda esquecida. Concurso de Monografia

em Finanças Públicas, Tema 3 – Tópicos especiais, 2015.

IBGE. Disponível em: . Acesso

em: 2 fev. 2016.

IMF. World Economic Outlook Database. Washington D.C.: International Monetary Fund, 2017.

IPEADATA. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2017.

KUPFER, D. Dez anos de política industrial. Valor Econômico, 8 jul. 2017.

LAVINAS, L; SIMÕES, A. Social policy and structural heterogeneity in Latin America: the turning point

of the 21th century. In: FRITZ, B.; LAVINAS, L. (Orgs.) A moment of equality for Latin America? Challenges

for redistribution. Burlington: Ashgate, 2015, p. 77-102.

LUSTIG, N.; PESSINO, C.; SCOTT, J. The impact of taxes and social spending on inequality and poverty

in Argentina, Bolivia, Brazil, Mexico, Peru, and Uruguay. Introduction to the Special Issue, Public

Finance Review, vol. 42, p. 287-303, 2014.

MELLO, G. S. Diagnóstico dos governos Dilma Rousseff: do “industrialismo” à virada neoliberal. Manuscrito,

IE/Unicamp, Campinas, 2015.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Plano Plurianual 2004–2007. Orientação Estratégica de governo.

Um Brasil para todos: Crescimento sustentável, emprego e inclusão social, 2003.

OCAMPO, J. A. Raúl Prebisch and the development agenda at the dawn of the twenty-first century. CEPAL

Review, vol. 75, n. 1, p. 25-40, 2001.

_______. The case for and experience with capital account regulations. In: GALLAGHER, K. P.; GRIFFITH-

JONES, S.; OCAMPO, J. A. (Orgs.). Regulating global capital flows for long-run development.

Boston, MA: Pardee Center Task Force Report, 2012, p. 13-22.

ORAIR, R. Investimento público no Brasil: trajetória e relações com o regime fiscal. Texto para discussão,

Ipea, n. 2215, jul. 2016.

PAULA, L. F.; FRITZ, B.; PRATES, D. M. Centre and periphery in international monetary relations: implications

for macroeconomic policies in emerging economies. Working Paper, desiguALdades.net,

Belim, n. 80, 2015.

_______; MODENESI, A. M.; PIRES, M. C. The tale of the contagion of two crises and policy responses

in Brazil: a case of (Keynesian) policy coordination?. Journal of Post Keynesian Economics, vol. 37, n.

, p. 408-435, 2015.

_______; PIRES, M. Crise e perspectivas para a economia brasileira. Estudos Avançados, vol. 31, n. 89, p.

-144, 2017.

PRATES, D. M.; FRITZ, B. Beyond capital controls: regulation of foreign currency derivatives markets

in the Republic of Korea and Brazil after the global financial crisis. Revista de la CEPAL, vol. 118, p.

-213, 2016.

PREBISCH, R. The economic development of Latin America and its principal problems. Nova York: United

Nations Department of Economic Affairs/mimeo, 1950.

ROSA, R. S.; BIANCARELLI, A. Determinantes do processo de “desdolarização” do passivo externo brasileiro.

Anais do 44º Encontro Nacional de Economia (Anpec), 2016.

ROSSI, Pedro. Regime macroeconômico e o projeto social-desenvolvimentista. In: CALIXTRE, A.; BIANCARELLI,

A; CINTRA, M.A.M. (Eds.), Presente e Futuro do Desenvolvimento Brasileiro. Brasilia:

IPEA, 2014, p. 195-226.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Daniela Prates, Barbara Fritz, Luiz Fernando de Paula

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por