IED na região Nordeste à luz da nova geração de políticas de investimento: contribuição ao desenvolvimento sustentável?

Márcia Cristina Silva Paixão, Jorge Madeira Nogueira

Resumo


Nos anos 2000-2014 ocorreu um movimento inédito na distribuição mundial dos fluxos de investimento estrangeiro direto (IED): países desenvolvidos perderam participação para países em desenvolvimento e em transição. Partindo desse cenário, o principal objetivo deste artigo é destacar o quadro recente do estoque de IED industrial no Nordeste para demonstrar que um estudo em nível regional pode captar características que passariam despercebidas numa análise em nível nacional. Discute-se detidamente o potencial de impacto ambiental à luz de hipóteses sobre a relação entre características das empresas e potenciais efeitos do IED na economia receptora. A conclusão geral é que ocorreu um boom de investimentos estrangeiros no Nordeste nos anos 2000, mais importante em termos quantitativos que qualitativos, e que, na busca por objetivos de desenvolvimento sustentável, políticas de atratividade de investimentos precisam ser mais seletivas e estratégicas em termos ambientais, além de priorizar atividades com conteúdo tecnológico mais elevado e menor presença na região.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA de, L. T.; ROCHA, S. S. Beyond pollution haloes: the environmental effects of FDI in the pulp

and paper and petrochemicals sectors in Brazil. Estados Unidos: Working Group on Development and

Environment in the Americas, 2008. Discussion paper, n. 17. Disponível em:

gdae/Pubs/rp/DP17Togeiro_RochaApr08.pdf>. Acesso em: set. 2010.

BACEN. Banco Central do Brasil. Censo de Capitais Estrangeiros no País - Estatísticas econômicas de capitais

estrangeiros no País. Anos-base 1995/2000/2005/2010, 2013. Disponível em:

gov.br/?censoce >. Acesso em: abr. 2011; out. 2013.

CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). La inversión extranjera en America Latina

y el Caribe – Informe 1997. Chile: Nações Unidas, 1998. Disponível em:

publicaciones/>. Acesso em: maio 2013.

_______. Globalização e desenvolvimento. Documento do 29o Período de Sessões da Cepal. 6 a 20 de maio

de 2002. Chile: Nações Unidas, 2002. Disponível em: . Acesso

em: maio 2013.

DUNNING, J.; LUNDAN, S. Multinational enterprises and the global economy. 2ª ed. Cheltenham, Reino

Unido: Edward Elgar, 2008.

FDI INTELLIGENCE. Financial Times Ltd. FDI into Nordeste Brazil – Data January 2003 to March 2012.

Londres: FDI Intelligence Limited, 2012.

FERRAZ, C.; SEROA DA MOTTA, R. Regulação, mercado ou pressão social? Os determinantes do investimento ambiental na indústria. Texto para discussã. IPEA, Rio de Janeiro, n. 863, 2002.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de indústria.

Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (Pintec). Base de dados – Site da pesquisa. 2008. Disponível

em: . Acesso em: out. 2012; set. 2013.

LAPLANE, M. F.; SARTI, F. Investimento direto estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos

anos 90. Economia e Sociedade, Campinas, vol. 6, n. 1, p. 143-181, jun. 1997.

MOTTA, C. China impõe limites para emissão de poluentes atmosféricos. O Globo, Rio de Janeiro, 18 jun.

Disponível em:

atmosfericos-8734753>. Acesso em: 2 jul. 2013.

MÜELLER, C. C. Os economistas e as relações entre o sistema econômico e o meio ambiente. Brasília: UnB, 2007.

NASSIF, A. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Rio de Janeiro: BNDES, 2006. Texto para discussão

n. 108.

NOGUEIRA, J. M.; NOGUEIRA, M. P. S. International trade, foreign investment, and the environment.

Nova York: Department of City and Regional Planning – Cornell University, 1993. Working papers

in planning, n. WP 137.

NONNENBERG, M. J. B. Determinantes dos investimentos externos e impactos das empresas multinacionais

no Brasil – As décadas de 70 e 90. Texto para discussão, IPEA, Rio de Janeiro, n. 969, 2003.

OECD (Organization for Economic Cooperation and Development). Structural adjustment and economic

performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development, 1987.

_______. Globalisation, Transport and the Environment. Paris: OECD, 2010.

PAIXÃO, M. C. S. Investimento estrangeiro direto no cenário ambiental e socioeconômico do Nordeste brasileiro.

218 f. Tese (Doutorado em Economia). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade,

Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

PRDNE. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste – Sudene. Ministério da Integração Nacional

– MI. Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) – Elementos para discussão. Recife:

Sudene, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2013.

RENAI/MDIC. Rede Nacional de Informações sobre o Investimento. Ministério do Desenvolvimento,

Indústria e Comércio Exterior. Relatórios periódicos de projetos de investimento no Brasil. Vários anos.

-2012.

SARTI, F.; LAPLANE, M. F. O investimento direto estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira

nos anos 1990. Economia e Sociedade, Campinas, vol. 11, n. 1, p. 63-94, jan.-jun. 2002.

UNCTAD (United Nations Conference on Trade and Development). World Investment Report 1999: FDI

and the Challenge of Development. Nova York; Genebra: United Nations, 1999. Disponível em:

unctad.org/wir>. Acesso em: mar. 2012.

_______. World Investment Report 2006: FDI from Developing and Transition Economies: Implications

for Development. Nova York; Genebra: United Nations, 2006. Disponível em: .

Acesso em: maio 2013.

_______. World Investment Report 2011: non-equity modes of international production and development.

Nova York; Genebra: United Nations, 2011. Disponível em: . Acesso em: maio

_______. World Investment Report 2012: towards a new generation of investment policies. Nov York; e Genebra:

United Nations, 2012a. Disponível em: . Acesso em: maio 2013.

_______. World Investment Report 2012: annex tables. Table 05 FDI flows in the host economy, by industry,

-2011. México. Nova York; Genebra: United Nations, 2012b. Disponível em:

org/wir>. Acesso em: maio 2013.

_______. World Investment Report 2013: global value chains: investment and trade for development. Nova

York; Genebra: United Nations, 2013a. Disponível em: . Acesso em: maio 2015.

_______. World Investment Report 2013: annex tables. Genebra: UNCTAD, 2013b. Disponível em:

unctad.org/wir>. Acesso em: jul. 2013.

_______. World Investment Report 2015: reforming international investment governance. Nova York;

Genebra: United Nations, 2015a. Disponível em: . Acesso em: maio 2015.

_______. World Investment Report 2015: annex tables. Genebra: UNCTAD, 2015b. Disponível em:

unctad.org/wir>. Acesso em: fev. 2016.

ZARSKY, L. Havens, halos and spaghetti: untangling the evidence about foreign direct investment and

the environment. In: OECD (Org.). Foreign direct investment and the environment. Paris: OECD, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Márcia Cristina Silva Paixão, Jorge Madeira Nogueira

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por

   

 

Associados Patronos do Centro Celso Furtado