O Complexo Econômico-Industrial da Saúde 4.0: por uma visão integrada do desenvolvimento econômico, social e ambiental

Carlos A. Grabois Gadelha

Resumo


A pandemia Covid-19 constitui um dos fenômenos mais importantes da história recente. O contexto atual nacional e global revelou, de modo dramático, o acerto da hipótese central do programa de pesquisa do CEIS, que indica a interdependência endógena, analítica e política, entre as dimensões econômicas e sociais do desenvolvimento. À luz do conjunto de desafios postos pelas transformações tecnológicas, econômicas e sociais em curso intensificados com a pandemia, este artigo aponta a necessidade de ousadia político-teórica para superar falsas e lineares dicotomias e repensar estratégias de desenvolvimento. Finalmente, sugere uma nova agenda para o programa de pesquisa do CEIS, incorporando os desafios levantados pelas transformações contemporâneas e apontando caminhos para que saúde e bem-estar sejam pensados como possibilidades para superar o impasse histórico do desenvolvimento, em uma abordagem sistêmica e estrutural comprometida com o dinamismo econômico, com as necessidades sociais e com a natureza.


Palavras-chave


Covid-19; Complexo Econômico-Industrial da Saúde (CEIS); Sistema Único de Saúde (SUS); Desenvolvimento Econômico; Quarta Revolução Tecnológica

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. D. de. Polarização epidemiológica no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 21, n. 4, p. 533–538, dez. 2012.

BAHIA, L. et al. From health plan companies to international insurance companies: changes in the accumulation regime and repercussions on the healthcare system in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, p. e00154015, 3 nov. 2016.

BELLUZZO, L. G. A internacionalização recente do regime do capital. Carta Social e do Trabalho, Campinas, SP, IE/Unicamp, n. 27, p. 2-13, jul.-set. 2014.

BRAGA, J. C. de S. Temporalidade da riqueza: teoria da dinâmica e financeirização do capitalismo: Campinas, SP: Unicamp - Instituto de Economia, 1985. (Coleção Teses).

ERBER, F. Celso Furtado e as convenções do desenvolvimento. In: SABOIA, J.; CARVALHO, F. J. C. (Eds.). Celso Furtado e o Século XXI. Rio de Janeiro/RJ; Barueri, SP: Manole, 2007.

FRENK, J. et al. La transición epidemiológica en América Latina. Boletín de la Oficina Sanitaria Panamericana (OSP), v. 111, n. 6, p. 12, 1991.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Berkeley: University of California Press, 1964.

FURTADO, C. Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964b. v. 2

FURTADO, C. O subdesenvolvimento revisitado. Economia e Sociedade, v. 1, n. 1, p. 5–19, 1992.

FURTADO, C. Brasil. A construção interrompida. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GADELHA, C. A. G. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 8, n. 2, p. 521–535, 2003.

GADELHA, C. A. G. Desenvolvimento e saúde: em busca de uma nova utopia. Saúde em Debate, v. 29, n. 71, p. 326-327, 2007.

GADELHA, C. A. G. Os desafios de uma tecnologia que sirva ao humano e não que se sirva do humano. (Entrevista concedida a João Vitor Santos). Revista do Instituto Humanitas Unisinos, n. 544, ano XIX, p. 8-15, nov. 2019.

GADELHA, C. A. G. Pandemia Covid-19: a necessidade de retomada de uma agenda estrutural de desenvolvimento. Jornal dos Economistas, n. 370, p. 10-11, jun. 2020.

GADELHA, C. A. G. et al. O Complexo Econômico-Industrial da Saúde no Brasil: formas de articulação e implicações para o SNI em saúde. Revista Brasileira de Inovação, v. 12, n. 2, p. 251–282, 2013.

GADELHA, C. A. G.; TEMPORÃO, J. G. Desenvolvimento, Inovação e Saúde: a perspectiva teórica e política do Complexo Econômico-Industrial da Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 6, p. 1891-1902, jun. 2018.

HABERMAS, J. A crise do estado de bem-estar social e o esgotamento das energias utópicas. Novos estudos, CEBRAP, v. 18, p. 103–114, 1987.

HOCHMAN, G.; LIMA, N. T. Médicos intérpretes do Brasil. São Paulo: Hucitec, 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeções da população: Brasil e unidades da Federação, revisão 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

MAGALHÃES, J. C.; COULDRY, N. Tech Giants Are Using This Crisis to Colonize the Welfare System. Jacobin, 27 abr. 2020.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MAZZUCATO, M. The entrepreneurial state: debunking public vs, private sector myths. London, New York, Delhi: Anthem Press, 2013.

MEDEIROS, C. A. de. Inserção externa, crescimento e padrões de consumo na economia brasileira. Brasília: IPEA, 2015.

PREBISCH, R. O sistema econômico e sua transformação. In: GURRIERI, A. (Ed.). O Manifesto Latinoamericano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

SANTOS, W. G. dos. Gênese dos novos partidos da ordem: o Brasil na dança mundial. Publicado em: 30 set. 2018. Disponível em: http://necon.iesp.uerj.br/wp-content/uploads/2018/10/Automação-erevolução-tecnológica.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. v. 2

SCHWAB, K. The fourth industrial revolution. New York: Crown Business, 2017.

WORLD ECONOMIC FORUM. Health and Healthcare in the Fourth Industrial Revolution: Insight Report. Global Future Council on the Future of Health and Healthcare, World Economic Forum, 2019. Disponível em: http://www3.weforum.org/docs/WEF__Shaping_the_Future_of_Health_Council_Report.pdf. Acesso em: 16 mar. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br