A dependência revisitada: a inserção internacional comparada entre América Latina e China na década de 2000-2010

Ana Maria Rita Milani

Resumo


O objetivo deste artigo é estudar como se apresenta a inserção da América Latina e da China no atual contexto internacional, considerando a categoria do conceito de dependência. O modelo de desenvolvimento implementado na década de 1990 provocou na América Latina um choque competitivo, decorrente das mudanças estruturais macroeconômicas. Nesse período, a China ampliou seu poder econômico por meio de uma estratégia de desenvolvimento centrada na modernização da indústria. No entanto, a trajetória macroeconômica e a forma de inserção internacional da China apresentam-se bem diferentes da América Latina. Nessa perspectiva e com base no conceito de dependência, será feita uma leitura do atual contexto internacional.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. E. Subdesenvolvimento e dependência: uma análise comparada de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso. Tese (Doutorado em Economia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2009.

BARBOSA, A. F. China e América Latina na nova divisão internacional do trabalho. In: LEÃO, R. F.; PINTO,

E. C.; ACIOLY, L. A China na nova configuração global. Impactos políticos e econômicos. Brasília:

Ipea, 2011.

BELLUZZO, L. G. Dinheiro e as transfigurações da riqueza. In: TAVARES, M. C.; FIORI, J. L.(Orgs.).

Poder e dinheiro. Uma economia política da globalização. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

BRAGA, J. C. Financeirização global: o padrão sistêmico de riqueza do capitalismo contemporâneo. in:

TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. Poder e dinheiro: uma economia política da globalização. Petrópolis,

RJ: Vozes, 1997.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

CARNEIRO, R. Globalização financeira e inserção periférica. Revista Economia e Sociedade. Campinas,

n. 13, p. 57-92, dez. 1999.

_______. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Unicamp, Instituto de Economia; Unesp, 2002.

CHESNAIS, F. A globalização e o curso do capitalismo de fim de século. Revista Economia e Sociedade,

Campinas, n. 5, p. 1-30, 1995.

_______. “Nova economia”: uma conjuntura específica da potência hegemônica no contexto da mundialização do capital. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política. Rio de Janeiro, n. 9, p. 53-85, dez. 2001.

CINTRA, M. A. M.; SILVA FILHO, E. B. O sistema financeiro chinês: a grande muralha. In: CINTRA,

M. A. M. ; SILVA FILHO, E. B. ; PINTO, E. C. (Orgs.) China em transformação. Dimensões econômicas

e geopolíticas do desenvolvimento. Brasília: Ipea, 2015, p. 425-490.

CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Latin America and the Caribbean in the

World Economy 2010-2011. The region in the decade of the emerging economies. Santiago do Chile:

CEPAL, 2011.

_______. La República Popular China y América Latina y el Caribe. Diálogo y cooperación ante los nuevos desafíos de la economía global. Santiago do Chile: CEPAL 2012.

_______. Anuário Estadístico. Disponível em: . Acesso em: abr. 2014.

COUTINHO, L.; BELLUZZO, L. G. Desenvolvimento e estabilização sob finanças globalizadas. Economia

e Sociedade, Campinas, n. 7, 1996.

FEENSTRA, R. C. Introduction to China’s growing role in world trade. Working Paper 14716, National

Bureau of Economic Research, 2009.

FERRER, A. Globalización, desarrollo y densidad nacional. In: VIDAL, G.; GUILLÉN R. A. (Orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en un contexto de globalización. Homenaje a Celso Furtado. Buenos Aires: CLACSO, 2007, p. 431-437.

FRANK, A. G. (1966) The development of underdevelopment. In: RHODES. Imperialism and underdevelopment: a reader. Nova York : Monthly Review Press, 1970.

_______. Acumulação dependente e subdesenvolvimento: repensando a teoria da dependência. São Paulo: Brasiliense, 1980.

FURTADO, C. (1967) Teoria e política do desenvolvimento econômico (Coleção Os Economistas). São Paulo: Abril Cultural, 1985.

GONZALEZ, F. Latin America in the economic equation - Winners and Losers: what can losers do? In:

RIORDAN, R.; PAZ, G. (Orgs.). China’s Expansion into the Western Hemisphere. Washington, DC:

Brookings Institution Press, 11 jun. 2008, p. 151-157.

IPEA (Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada). Inserção internacional brasileira: temas de política externa, vol. 1 (3), cap. 3. Brasília: 2010.

LALL, S. Reinventing industry strategy: the role of government policy in building industrial competitiveness.

UNCTAD/G-24. Documentos para discussão, série 28, abr. 2004.

MARINI, R. M. América Latina: dependência e integração. São Paulo: Brasil Urgente, 1992.

_______. Dialética da dependência. Petrópolis: Vozes, 2000.

_______. (1969) Subdesenvolvimento e revolução. Florianópolis: Insular, 2012.

MASWANA, Jean-Claude. China’s financial development and economic growth: exploring the contradictions. International Research Journal of Finance and Economics, v. 19, p. 89-101, 2008.

MEDEIROS, C. A. Padrões de investimento, mudança institucional e transformação estrutural na economia chinesa. In: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Padrões de desenvolvimento (1950- 2008): América Latina, Ásia e Rússia. Brasília: CGEE, 2013.

MILANI, A. M. R. Cuestións para pensar o desenvolvemento no Brasil: especialización regresiva e tarifa

exportadora no período 2003-2010. Revista Galega de Economía, Universidade de Santiago de Compostela. Santiago de Compostela, España, vol. 22, n. 2, dez. 2013.

OREIRO, J. L; FEIJÓ, C. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de

Economia Política, São Paulo, vol. 30 n. 2, abr.-jun. 2010.

OSORIO, J. Crítica de la economía vulgar. Reproducción del capital y dependencia. México: Grupo Editorial Miguel Ángel Porrúa, jul. 2004.

PINTO, E. C. O eixo sino-americano e as transformações do sistema mundial: tensões e complementaridades comerciais, produtivas e financeiras. In: LEÃO, R. F.; PINTO, E. C.; ACIOLY, L. (Orgs.). A China na nova configuração global. Impactos políticos e econômicos. Brasília: Ipea, 2011.

ROWTHORN, R; RAMASWANY, R. Growth, trade and eeindustrialization. IMF Staff Papers, vol. 46, n. 1, 1999.

SANTOS, T. Dependencia y cambio social. Buenos Aires: Amorrortu, 1973.

SARTI, F.; LAPLANE, M. Indústria mundial: mudanças e tendências recentes. Texto para discussão.

Unicamp, n. 186, dez. 2010.

SINGH, A. Manufacturing and de-industrialization. In: EATWELL, J.; MILGATE, M.; NEWMAN, P.

(Orgs.). The New Palgrave: A Dictionary of Economics. Londres: The Macmillan Press, 1987.

TORIJA-ZANE, E. Desarrollo industrial y política macroeconómica de los dragones asiáticos: 1950–2010.

Santiago de Chile: CEPAL, 2012.

TREGENNA, F. employment Characterizing and deindustrialization: an analysis of changes in manufacturing,

employment and output internationally. Cambridge in Journal of Economics, Vol. 33, 2009.

UNCTAD. Word Investment Report: transnational corporations, agricultural production and development. Nova York, Genebra, 2003.

_______. Word Investment Report: Investing in a low-carbon economy. Nova York, 2010.

WANG, H.; HONG, Y. China: Technology development and management in the context of economic reform and opening. Journal of Technology Management in China, vol. 4, n. 1, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Ana Maria Rita Milani

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por

   

 

Associados Patronos do Centro Celso Furtado