Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado: método, esquema analítico e projeto político

Pedro Paulo Zahluth Bastos

Resumo


O artigo discute o método, o esquema analítico e o projeto político da obra magna de Celso Furtado, Formação Econômica do Brasil. Quanto ao método, defendo primeiro que Furtado aprofunda e mesmo consolida o método histórico-estrutural proposto, ainda embrionariamente, por Raúl Prebisch; segundo, que a abdução é o recurso lógico mais usado por Furtado (e não a indução). Quanto ao esquema analítico, defendo que Furtado, a partir do método histórico-estrutural e da abdução, vincula os conceitos de estrutura, poder e espaço, criativamente, a partir de uma convergência de duas influências, Raúl Prebisch e François Perroux (e não de Max Weber ou Roberto Simonsen). Quanto ao projeto político, defendo que era menos o de propor o planejamento da industrialização do que justificá-lo historicamente; e, sobretudo, o projeto era atacar os desequilíbrios regionais brasileiros, particularmente no Nordeste.

Palavras-chave


Método Histórico-Estrutural; Abdução; Raúl Prebisch; François Perroux; Desequilíbrios Regionais

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, L. F. Introdução. In: FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009 [1959].

ARRUDA, J. J. A. O Brasil no comércio colonial. São Paulo: Ática, 1980.

ARRUDA, J. J. A. Decadência ou crise do Império Luso-Brasileiro: o novo padrão de colonização do século XVIII. Revista USP, n. 46, p. 66-79, jun.-ago. 2000.

AZEVEDO, J. L. Épocas de Portugal econômico. Lisboa: Clássica, 1929. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/6840. Acesso em: 15 ago. 2020.

BASTOS, P. P. Z. O presidente desiludido: a campanha liberal e o pêndulo de política econômica no governo Dutra (1942-1948). História Econômica e História das Empresas, v. 7, n. 1, p. 99-135, 2004.

BASTOS, P. P. Z. Centro e periferia no padrão ouro-libra: Celso Furtado subestimou a dinâmica da dependência financeira? Revista EconomiA, v. 8, n. 4, p. 169-197, 2007.

BASTOS, P. P. Z. Ortodoxia e heterodoxia antes e durante a Era Vargas: contribuições para uma economia política da gestão macroeconômica dos anos 1930. Revista EconomiA, v. 9, n. 4, p. 183-214, 2008.

BASTOS, P. P. Z. Qual era o projeto econômico varguista?. Estudos Econômicos, v. 41, n. 2, p. 345-382, 2011a.

BASTOS, P. P. Z. O Plano Trienal e sua economia política. In: D’AGUIAR, R. F. (org.) O Plano Trienal e o Ministério do Planejamento. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2011b, p. 441-449.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, 1988.

BIELSCHOWSKY, R. Celso Furtado’s Contributions to Structuralism and their Relevance Today. Cepal Review, n. 88, p. 7-14, 2006.

BIELSCHOWSKY, R. Furtado’s “Economic Growth of Brazil:” The Masterpiece of Brazilian Structuralism. International Journal of Political Economy, v. 43, n. 4, p. 44-62, 2014.

BOCAGE, D. General Economic Theory of François Perroux. New York; London: University Press of America, 1985.

BOIANOVSKY, M. Furtado, North and the New Economic History. Revista EconomiA, v. 10, n. 4, p. 849-866, 2009.

BOIANOVSKY, M. A View from the Tropics: Celso Furtado and the Theory of Economic Development in the 1950s. History of Political Economy, v. 42, n. 2, p. 221-266, 2010.

BOIANOVSKY, M. Between Lévi-Strauss and Braudel: Furtado and the Historical-Structural Method in Latin American Political Economy. Journal of Economic Methodology, v. 22, n. 4, p. 413-438, 2015.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Método e paixão em Celso Furtado. In: BRESSER-PEREIRA, L. C.; Rego, J. M. A grande esperança em Celso Furtado: ensaios em homenagem aos seus 80 anos. São Paulo: Editora 34, 2001, p. 19-43.

BURKS, A. W. Peirce’s Theory of Abduction. Philosophy of Science, v. 13, n. 4, p. 301-306, 1946.

CANDIDO, A. [1950] Literatura e cultura de 1900 a 1945. In: Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz, Publifolha, 2000, p. 117-145.

CANDIDO, A. [1967] O significado de Raízes do Brasil. In: HOLANDA, S. B. [1936] Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 355-368.

CANO, W. [1975] Raízes da concentração industrial em São Paulo. São Paulo, Hucitec, 1990.

CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil, 1930-1995. Campinas: IEUnicamp, 1998.

CARDOSO DE MELLO, J. M. [1975] O capitalismo tardio. Campinas: Editora Unicamp, 1998.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALLETTO, Enzo. Dependência e desenvolvimento na América Latina. Rio de Janeiro: LTC, 1970.

CHAUÍ, M. Introdução à história da filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. v. l. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CHIBENI, S. S. A inferência abdutiva e o realismo científico. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (Unicamp), v. 6, n.1, p. 45-73, 1996.

CHILCOTE, Ronald H. Theories of Development and Underdevelopment. Boulder: Westview Press, 1984.

CORSI, F. L. Estado Novo: política externa e projeto nacional. São Paulo, Unesp, 2000.

COUTINHO, M. A teoria econômica de Celso Furtado: Formação Econômica do Brasil. In: LIMA, M.C.; DAVID, M. D. (org.) A atualidade do pensamento de Celso Furtado. Goiânia: Verbena, 2008.

DAVIS, M. Late Victorian Holocausts: El Niño Famines and the Making of the Third World. London: Verso, 2001.

DOSMAN, E. Raúl Prebisch: A construção da América Latina e do Terceiro Mundo. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2011.

FONSECA, P. C. D. Sobre a intencionalidade da política industrializante do Brasil na década de 1930. Revista de Economia Política (São Paulo), v. 23, n. 1 (89), p. 133-148, 2003.

FONSECA, P. C. D. A política e seu lugar no estruturalismo: Celso Furtado e o impacto da Grande Depressão no Brasil. Revista EconomiA, v. 10, n. 4, p. 867-885, 2009.

FONTANA, J. Historia: análisis del pasado y proyecto social. Barcelona: Critica, 1982.

FRAGOSO, J.; FLORENTINO, M. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia: Rio de Janeiro, c.1790-c.1840. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FURTADO, C. A economia brasileira. Rio de Janeiro: A noite, 1954.

FURTADO, C. A Pré-Revolução Brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura,1962.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Editora Nacional, 1967.

FURTADO, C. A fantasia organizada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FURTADO, C. A fantasia desfeita. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FURTADO, C. [1948] Economia colonial no Brasil nos séculos XVI e XVII: Elementos de história econômica aplicados à análise de problemas econômicos e sociais. São Paulo: ABPHE, Hucitec, 2001.

FURTADO, C. [1959] Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FURTADO, C. [1994]. Retorno à visão global de Perroux e Prebisch (Tradução de Retour à la vision globale de Perroux et Prebisch. Paris: Institut de Science Economique Appliquée, 1994). Cadernos do Desenvolvimento, v. 7, n. 10, p. 296-304, 2012.

GURRIERI, A. A economia política de Raúl Prebisch. In: PREBISCH, Raúl. (org.) O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2011, p. 15-94.

HAMILTON, A. Report on Manufactures. In: National Archives: Founders Archive, 1791. Disponível em: https://founders.archives.gov/documents/Hamilton/01-10-02-0001-0007. Acesso em: 15 jul. 2020.

HIGGINS, B.; SAVOIE, D. J. (ed.). [1988]. Regional Economic Development: Essays in Honour of François Perroux. London: Routledge, 2017.

HODGSON, Geoffrey M. How Economics Forgot History: The Problem of Historical Specificity in Social Science. London: Routledge, 2001.

LAWSON, T. Methodology. In: HODGSON, G. M.; SAMUELS, W. J.; TOOL, M. R. (ed.) The Elgar Companion to Institutional and Evolutionary Economics. Aldershot: Edward Elgar, 1994.

LEWIS, A. Economic Development with Unlimited Supplies of Labour. The Manchester School, v. 22, n. 2, p. 139-191, 1954.

LIST, Georg F. [1841] Sistema nacional de economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1989.

LOVE, J. L. Crafting the Third World: Theorizing Underdevelopment in Rumania and Brazil. Palo Alto: Stanford University Press, 1996.

LOVE, J. L. The Rise and Decline of Economic Structuralism in Latin America: New Dimensions. Latin American Research Review, v. 40, n. 3, p. 100-125, 2005.

MALLORQUÍN, C. Celso Furtado: um retrato intelectual. São Paulo: Xamã; Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

MALLORQUÍN, C. Celso Furtado and Development: an Outline. Development in Practice, v. 17, n. 6, p. 807-819, 2007.

MALLORQUIN, C. Una síntesis de múltiples determinaciones: Formación Económica del Brasil. Revista EconomiA, v. 10, n. 4, p. 905-933, 2009.

MANNHEIM, K. [1940] Man and Society in an Age of Reconstruction. Studies in Modern Social Structure. London: Routledge, 2013.

MANTEGA, G. [1984] A economia política brasileira. Petrópolis: Vozes, 1991.

MARTINS, R. B. [1980]. Crescendo em silêncio: a incrível economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amílcar Martins, ABPHE, 2018.

MIROWSKI, P. More Heat than Light: Economics as Social Physics, Physics as Nature’s Economics. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

MIROWSKI, P. (Ed.). Natural Images in Economic Thought: Markets Read in Tooth and Claw. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

MORAES, R. C. Celso Furtado: o subdesenvolvimento e as ideias da Cepal (v. 120). São Paulo: Ática, 1995.

MYRDAL, G. Economic Theory and Underdeveloped Regions. London: Gerald Duckworth & Co., 1957.

NOVAIS, F.; ARRUDA, M. A. N. [1998] Revisitando os intérpretes do Brasil. In: NOVAIS, F. Aproximações: ensaios de história e historiografia. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

OLIVEIRA, F. [1997] Viagem ao olho do furacão: Celso Furtado e o desafio do pensamento autoritário brasileiro. In: A navegação venturosa. Ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Boitempo, 2003.

PEIRCE, C. S. Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Org. Charles Hartshorne, Paul Weiss, Arthur W. Burks, John Deely. Electronic edition, Thoemmes Continuum, 1994.

PELLEGRINO, A. Nas sombras do subdesenvolvimento: Celso Furtado e a problemática regional no Brasil. Campinas: Alínea, 2005.

PERROUX, F. Esquisse d’une théorie de l’économie dominante. Économie Appliquée, v. 2, n. 2, 1948, p. 243-300.

PERROUX, F. Les macrodécisions. Économie Appliquée, v. 3, n. 2, p. 235-251, 1949.

PERROUX, F. The Domination Effect and Modern Economic Theory. Social Research, p. 188-206, 1950a.

PERROUX, F. Economic Space: Theory and Applications. The Quarterly Journal of Economics, v. 64, n. 1, p. 89-104, 1950b.

PERROUX, F. Note sur la notion de ‘pôle de croissance’. Économie Appliquée, v. 9, n. 1, p. 307-320, 1955a.

PERROUX, F. Prise de vues sur la croissance de l’économie française, 1780-1950. Review of Income and Wealth, v. 5, n. 1, p. 41-78, 1955b.

PREBISCH, R. [1950] Crescimento, desequilíbrio e disparidades: Interpretação do processo de desenvolvimento econômico. In: PREBISCH, R., O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2011, p. 153-246.

PREBISCH, R. [1951] Problemas teóricos e práticos do desenvolvimento econômico. In: PREBISCH, R. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2011, p. 247-298.

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e seus principais problemas. Revista Brasileira de Economia, v. 3, n. 3, p. 47-111, 1949.

PREBISCH, R. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2011.

REALE, G.; ANTISERI, D. [1997] História da filosofia: filosofia pagã antiga. Tradução de Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, v. 1, 2007.

ROBILLOTI, P. C. O desenvolvimento capitalista na obra de Maria da Conceição Tavares. Dissertação (Mestrado em Ciências Econômicas) – Universidade de Campinas, Campinas, 2016.

RODRIGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

RUSSELL, B. [1946]. History of Western Philosophy. London: Routledge, 2005.

SAES, A.; BARBOSA, A. (org.) Celso Furtado e os 60 anos de Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Publicações BBM, Edições SESC 2020 (no prelo).

SALLES, R.; BORGES, M. A morte do barão de Guaribu. Ou o fio da meada. Heera (UFJF. Online), v. 7, n. 13, p. 57-94, jul.-dez. 2012.

SANDRETTO, R. François Perroux, a Precursor of the Current Analyses of Power. The Journal of World Economic Review, v. 5, n. 1, p. 57-68, 2009.

SCREPANTI, E.; ZAMAGNI, S. An Outline of the History of Economic Thought. Oxford: Oxford University Press, 2005.

SILVA. R.P. O jovem Celso Furtado: história, política e economia (1941-1948). Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

SIMONSEN, R. [1937] História econômica do Brasil: 1500-1820. Brasília: Senado Federal, 2005.

SLENES, R. W. (1988). Os múltiplos de porcos e diamantes. Estudos econômicos, v. 18, n. 3, p. 449-495, 1988.

SZMRECSÁNYI, T. Sobre a formação da Formação econômica do Brasil de C. Furtado. Estudos Avançados, São Paulo, v. 13, n. 37, p. 207-214, 1999.

TRIBE, Keith. Strategies of Economic Order: German Economic Discourse 1750-1950. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

YONAY, Y. P. The Struggle over the Soul of Economics: Institutionalist and Neoclassical Economists in America between the Wars. Princeton: Princeton University Press, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Pedro Paulo Zahluth Bastos

            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br

 

Indexado por