Contribuição a uma economia política do crescimento com inclusão social: a Era Lula e os determinantes da relação entre crescimento e mercado de trabalho em Celso Furtado pós-estagnação

Vinicius Gomes Lobo, Felipe Vella Pateo

Resumo


Ajudar a contribuir para pôr em evidência alguns conceitos e relações sociais ou político-econômicas é o objetivo deste artigo. E a proposta, aqui, é fazê-lo a partir de uma análise da Era Lula, período em que ocorreu um intenso e surpreendente processo de inclusão social, e de um resgate de elementos da obra de Celso Furtado, sobretudo em sua fase estagnacionista/pós-estagnacionista, porque, nessa fase, a relação entre crescimento econômico e distribuição de renda ganha maior peso na sua análise e porque essa relação e os seus determinantes estiveram na base do processo inclusivo da Era Lula. A sua base foi o aumento da renda ancorado no desempenho do mercado de trabalho, o que o faz um processo vinculado à dinâmica econômica. Entretanto, é importante destacar que tal desempenho depende não só da magnitude, mas, sobretudo, da forma como se expande a produção, e é justamente aí, na definição da forma ou perfil de expansão/acumulação e de sua influência sobre o mercado de trabalho que residem os principais determinantes da relação entre crescimento e distribuição, tão bem mapeados por Furtado.

Palavras-chave


Inclusão Social; Mercado de Trabalho; Subemprego Estrutural; Consumo; Acumulação

Texto completo:

PDF

Referências


AMITRANO, C. Um mapa setorial do emprego e dos salários a partir de dados da RAIS. Textos para Discussão IPEA, n. 2033, p. 1-87, 2015.

BACELAR, T. Economista Tânia Bacelar faz análise do ano de 2019. Folha de Pernambuco, Recife, 24 fev. 2019. Disponível em: https://www.folhape.com.br/economia/economista-tania-bacelar-faz-analise-do-ano-de-2019/97239/. Acesso em: fev. 2019.

BALTAR, P.; LEONE, E. Perspectivas para o mercado de trabalho após o crescimento com inclusão social. Estudos Avançados, v. 85, n. 29, p. 53-67, 2015.

BALTAR, P.; SOUEN, J.; CAMPOS, G. Emprego e distribuição da renda. Texto para discussão Instituo de Economia Unicamp, n. 298, p. 1-42, 2017.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Impacto das alterações demográficas sobre a taxa de desemprego. Boletim Regional, out. 2012. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/pec/boletimregional/port/2012/10/br201210b1p.pdf. Acesso em: 15 abr. 2018.

BARBOSA. A. F. Os avanços da Era Lula. Interesse Nacional, v. 20, n. 1, p. 40-50, 2014.

BARROS, R.; HENRIQUE, R.; MENDONÇA, R. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. In: HENRIQUES, R. (Org.). Desigualdade e Pobreza no Brasil. Brasília: IPEA, 2000.

BARROS, R.; CARVALHO, M.; FRANCO, S. Pobreza multidimensional no Brasil. Texto para discussão n. 1227, Brasília, IPEA, 2006.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento Econômico Brasileiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1998.

BOIANOVSKY, M. A view from the tropics: Celso Furtado and the Theory of Economic Development in the 1950s. History of Political Economy, v. 42, n. 1, p. 221-266, 2010.

BRITO, A. S. O papel do salário mínimo na redução da desigualdade na distribuição de renda no Brasil entre 1995 e 2013. 2015. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ), 2015.

BRITO, A.; FOGUEL, M.; KERSTENETZKY, C. The contribution of minimum wage valorization policy to the decline in household income inequality in Brazil: A decomposition approach. Journal of Post Keynesian Economics, v. 40, p. 1-36, 2017.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Método e Paixão em Celso Furtado. In BRESSER-PEREIRA, L. C.; REGO, J. M. (Orgs.). A Grande Esperança em Celso Furtado. São Paulo: Ed. 34, 2000.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Celso Furtado e a teoria econômica. In: FURTADO, C. Economia do Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

CAMPOS, S. A questão dos determinantes dos salários nas teorias clássica, marxista e neoclássica. Ensaios FEE, v. 12, n. 1, p. 131-157, 1991.

CARDOSO JUNIOR, J.; HAMASAKI, C. Padrões de Desenvolvimento, Mercado de Trabalho e Proteção Social: a experiência brasileira entre as décadas liberal (1990) e desenvolvimentista (2000). Texto para discussão IPEA, n. 2021, p. 1-60, 2015.

COUTINHO, M. C. Furtado e seus críticos: da estagnação à retomada do crescimento econômico. Economia e Sociedade, Campinas (SP), v. 28, n. 3 (67), p. 741-759, 2019.

JANNUZZI, P. M.; et al. Dimensionamento da extrema pobreza no Brasil: aprimoramentos metodológicos e novas estimativas. In: CAMPELLO, T.; SILVA, T. F.; COSTA, P. V. da (Orgs.). O Brasil Sem Miséria. Brasília: MDS, 2014.

DEDECCA, C. S. A redução da desigualdade no Brasil, uma estratégia complexa. [S. l.]: [s. n.], 2007.

EMMENEGGER, Patrick, et al. The age of Dualization: the changing face of inequality in deindustrializing society. New York: Oxford Univ. Press, 2012.

FURTADO, C. Subdesenvolvimento e estagnação na America Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FURTADO, C. Um projeto para o Brasil. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

FURTADO, C.; SOUSA, A. Los Perfiles de la Demanda y de La Inversión. Trimestre Econômico, v. 37, n. 147, p. 463-487, 1970.

FURTADO, C. Análise do Modelo Brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, C. Teoria e Política do Desenvolvimento. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

FURTADO, C. Economia do Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

FURTADO, C. Elementos de uma teoria do subdesenvolvimento. In: Essencial Celso Furtado. São Paulo: Penguim, 2013.

FAGNANI, E.; CALIXTRE, A. A política social e os limites do experimento desenvolvimentista (2003-2014). Texto para discussão Instituo de Economia Unicamp, n. 295, p. 1-38, 2017.

OLIVEIRA, L. S. Três ensaios sobre pobreza multidimensional. 2010. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

IPEA. A Década Inclusiva (2001-2011): Desigualdade, Pobreza e Políticas de Renda. Comunicado IPEA, Brasília, IPEA, n. 155, 2012.

LOBO, V. Dois Dogmas do Lulismo. Política e Sociedade, v. 12, n. 26, p. 133-161, 2014.

LOBO, V.; ANZE, V. O primeiro governo Dilma e a retração do Lulismo. Cadernos do Desenvolvimento, v. 12, n. 20, p. 61-97, 2017.

LOBO, V.; ANZE, V.; PATEO, F. Economia Política do Trabalho na Era Lula. Revista da ABET, v. 18, n. 1, p. 82-103, 2019.

MORGAN, M. Extreme and persistent inequality: New evidence for Brazil Combining National accounts, surveys and fiscal data, 2001-2015. Working Paper Series, WID, n. 12, 2017.

MARX, K. O Capital. Vol. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MIGLIOLI, J. Acumulação de Capital e Demanda Efetiva. São Paulo: Hucitec, 2004.

NERI, M. A nova classe média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo: Saraiva, 2011.

MEDEIROS, M.; SOUZA, P. H. G. F.; CASTRO, F. A. O topo da distribuição de renda no Brasil: primeiras estimativas com dados tributários e comparação com pesquisas domiciliares. Dados, Rio de Janeiro, v. 58, n. 1, jan.-mar. 2015.

OLIVEIRA, F. Crítica à Razão Dualista. O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

OREIRO, J.; FEIJÓ, C. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2, p. 219-232, 2010.

PIKETTY, T. O Capital no Século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

POCHMANN, M. Nova classe média? o trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

RAMOS, C. A. Economia do Trabalho: Modelos Teóricos e Debate no Brasil. Curitiba: CRV, 2012.

SABOIA, João. Salário mínimo e distribuição de renda no Brasil – potencial e limites. In: BARBOSA, N.; PESSOA, S.; MOURA, R. L. (Orgs.). Política de salário mínimo para 2015- 2018: avaliações de impacto econômico e social. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

SABOIA, J.; NETO, J. H. Salário mínimo e distribuição de renda no Brasil a partir dos anos 2000. Economia e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 1 (62), p. 265-285, 2018.

SOUZA, Pedro H. A desigualdade vista do topo: a concentração de renda entre os ricos no Brasil, 1926-2013. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

SPAVENTA, L. Effects of changes in the composition of demando n the productivity of labour ando n employment. International Economic papers, n. 12, p. 178-195, 1967.

STANDING, Guy. The precariat: The new dangerous class. London: Bloomsbury Academic, 2011.

THELENE, Kathleen. Varieties of liberalization and the new politics of social solidarity. New York: Cambridge Univ. Press, 2014.

WAJNMAN, S. Tendências prospectivas de crescimento da população economicamente ativa no Brasil. Texto para discussão CEDEPLAR, n. 111, p. 1-31, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.