Instituições, desenvolvimento econômico e sustentabilidade: uma proposta de diálogo entre a economia ecológica e o pensamento cepalino

Alexandre Ottoni Teatini Salles, Marcus Bruno Malaquias Ferreira

Resumo


Nos anos 1980, emerge uma Escola de pensamento no interior da Ciência Econômica chamada Economia Ecológica (EcoEco). A EcoEco analisa os problemas decorrentes das relações entre sistemas econômicos e sistemas ecológicos levando em consideração os limites biofísicos do meio ambiente e propondo uma análise sobre desenvolvimento sustentável. Por sua vez, o foco de análise da CEPAL tem sido o debate sobre desenvolvimento. Contudo, a partir dos anos 1970, inicia uma série de publicações dedicadas a incorporar a temática ambiental em sua análise. Após examinar os principais fundamentos teóricos de ambas Escolas, este artigo visa demonstrar como elas podem dialogar entre si, apesar de suas diferenças teóricas e metodológicas. Conclui-se que convergem em aspectos fundamentais, tais como, os efeitos deletérios dos resíduos gerados pela atividade produtiva sobre a qualidade de vida humana, e a necessidade de preservação dos recursos naturais como uma condição fundamental para o desenvolvimento econômico e social.


Palavras-chave


Economia Ecológica; CEPAL; Desenvolvimento Econômico; Desenvolvimento Sustentável; Instituições

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, Niemeyer; CORRÊA, Vanessa Petrelli. A CEPAL ainda é uma Escola do Pensamento? Revista de Economia Contemporânea, v. 15, n. 1, p. 92-111, jan.-abr. 2011.

AMADO, Adriana M.; MOLLO, Maria de Lourdes R. Ortodoxia e heterodoxia na discussão sobre integração regional: A origem do pensamento da CEPAL e seus desenvolvimentos posteriores. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 129-56, jan.-mar. 2004.

ANDRADE, Daniel C. Economia e meio ambiente: aspectos teóricos e metodológicos nas visões neoclássica e da economia ecológica. Leituras de Economia Política, v. 14, p. 1-31, ago.-dez. 2008.

BERGH, J. C. J. M. van den. Themes, Approaches, and Differences with Environmental Economics. Regional Environmental Change, n. 2, p. 13-23, 2001.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Evolución de las ideas de la CEPAL. Revista de la CEPAL, n. extraordinario, p. 21-45, oct. 1998.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cinquenta anos de pensamento na CEPAL - uma resenha. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Sesenta años de la cepal: estructuralismo y neoestructuralismo. Revista CEPAL, v. 97, p. 172-194, abr. 2009.

BOULDING, K. E. The economics of the coming spaceship earth. In: JARRETT, H. (Ed.). Environmental quality in a growing economy. Baltimore: Johns Hopkins Press, 1966.

BOULDING, K. E. Sources of Reasonable Hope for the Future. The American Economic Review, v. 74, n. 2 – “Papers and Proceedings of the Ninety Sixth Annual Meeting of the American Economic Association”, p. 221-225, May 1984.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. Do ISEB e da CEPAL à teoria da dependência. In: TOLEDO, Caio Navarro de (Org). Intelectuais e política no Brasil. A experiência do ISEB. Rio de Janeiro: Revan, 2005.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. Ignacy Sachs e a nave espacial Terra. Revista de Economia Política, v. 33, n. 2, p. 360-366, abr.-jun. 2013.

CECHIN, A. D.; VEIGA, J. E. O fundamento central da economia ecológica. In: MAY, P. H. (Org.). Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CMMAD. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1988.

CEPAL. El medio ambiente en América Latina. E/CEPAL/L132/Rev.l. [S. n. t.], mar. 1976.

CEPAL. El medio ambiente en América Latina. E/CEPAL/1018. [S. l.]: CEPAL, ago. 1976.

CEPAL. Water, Development and the Environment in Latin America. [S. l.]: CEPAL, 1977.

CEPAL. Revista de la CEPAL, Santiago de Chile, n. 12, dez. 1980.

CEPAL. Unidad CEPAL/PNUMA de desarrollo y medio ambiente. Incorporación de la dimension ambiental en la planificación. Revista Interamericana de Planificación, Ciudad de México, v. 18, n. 69, 1984.

CARRIZOSA, J.; et al. La dimensión ambiental en la planificación del desarrollo. Buenos Aires: Latinoamericano, 1988.

CARDOSO, Fernando H. La originalidad de la copia: la CEPAL y la idea de desarrollo. Revista de la CEPAL, n. 4, p. 7-39, 2.º sem. 1977.

COLISTETE, Renato Perim. O desenvolvimentismo cepalino: problemas teóricos e influências no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 41, p. 21-34, 2001.

CORAZZA, Gentil. O “regionalismo aberto” da CEPAL e a inserção da América Latina na globalização. Ensaios FEE, v. 27, n. 1, p. 135-52, maio 2006.

COSTANZA, R. What is Ecological Economics? Ecological Economics, n. 1, p. 1-7, 1989.

COSTANZA, R.; et al. An Introduction to Ecological Economics. Florida: Boca Raton, 1997.

CYPHER, James M.; DIETZ James L. The Process of Economic Development. New York: Routledge, 2009.

CHRISTENSEN, Paul P. Historical roots for ecological economics - biophysical versus allocative approaches. Ecological Economics, n. 1, p. 17-36, 1989.

DALY, Herman E. On economics as a life science. Journal of Political Economy, v. 76, n. 3, May-Jun. 1968.

DALY, Herman E. Crescimento sustentável? Não, obrigado. Ambiente & Sociedade, v. 7, n. 2, jul.-dez. 2004.

DALY, Herman E. Sustainable Development - Definitions, Principles, Policies. In: KEINER, Marco (Ed.). The Future of Sustainability. Dordrecht: Springer, 2006.

DALY, Herman E.; FARLEY, J. Economia ecológica: princípios e aplicações. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

DAVIS, John B. Kenneth Boulding as a Moral Scientist. 2011. Working Paper 2011‐01 – Department of Economics, College of Business Administration, Marquette University, Milwaukee (WI). DOPFER, Kurt. Kenneth Boulding: A Founder of Evolutionary Economics. Journal of Economic Issues, v. 28, n. 4, p. 1201-1204, 1994.

FONSECA, Pedro C. D. As origens e as vertentes formadoras do pensamento cepalino. Revista Brasileira de Economia, v. 54, n. 3, p. 333-358, jul.-set. 2000.

GEORGESCU-ROEGEN, N. The Entropy Law and the Economic Process. Cambridge, MA: Harvard Univ. Press, 1971.

GEORGESCU-ROEGEN, N. Energy and economic myths. New York: Pergamon Press, 1976.

GEORGESCU-ROEGEN, N. The Steady State and Ecological Salvation. A Thermodynamic Analysis. BioScience, v. 27, n. 4 – “The Scientist and Environmental Bioethics”, p. 266-270, Apr. 1977.

GEORGESCU-ROEGEN, N. Inequality, limits and growth from a bioeconomic perspective. Review of Social Economy, v. XXXV, p. 361-375, 1977.

GEORGESCU-ROEGEN, N. O decrescimento: entropia, ecologia e economia. São Paulo: Senac, 2012 [1979].

GEORGESCU-ROEGEN, N. Energy and Matter in Mankind’s Technological Circuit. In: NEMETZ, Peter N. (Ed.). Energy Policy: The Global Challenge. Toronto: Butterworth & Co., 1979.

GOWDY, John; ERICKSON, Jon D. The approach of ecological economics. Cambridge Journal of Economics, n. 29, p. 207-222, 2005.

GRIFFITH-JONES, S.; SUNKEL, O. Debt and Development Crises in Latin America: the end of an illusion. New York: Oxford Univ. Press, 1986.

GRINOVER, L. O Planejamento Físico-Territorial e a Dimensão Ambiental. Cadernos FUNDAP, São Paulo, p. 25-32, 1989.

HOFMAN, A.; TORRES. M. El pensamiento cepalino en la Revista de la cepal (1976-2008). Revista de la Cepal, n. 96, p. 9-26, dic. 2008.

HOUNIE, Adela; et al. La CEPAL y las nuevas teorías del crecimiento. Revista de la Cepal, n. 68, p. 7-33, ago. 1999.

HURTUBIA, Jaime. Ecología y desarrollo; evolución y perspectivas del pensamiento ecológico. In: SUNKEL, O.; GLIGO, N. Estilos de desarrollo y medio ambiente en la América Latina. México: Fondo de Cultura Económica, 1980.

KAPP, K. William. The Social Costs of Business Enterprise. Nottingham: The Russell Press, 1978.

KHALIL, Elias L. Kenneth Boulding: Ecodynamicist or Evolutionary Economist? Journal of Post Keynesian Economics, v. 19, n. 1, p. 83-100, 1996.

KINDLEBERGER, C. Economic development. New York: Mc Graw Hill, 1958.

KULA, E. History of Environmental Economic Thought. Londons; New York: Routledge, 1998.

LAMEIRAS, Leonardo Diniz. A evolução conceitual do pensamento estruturalista latino-americano: Aportes teóricos para a construção de uma historiografia autônoma das relações internacionais. RP3 - Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, Brasília, n.1, p. 58-75, 2016.

LEFF, E. Racionalidade Ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MAY, P. H. (Org.). Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

MAYUMI, Kozo; GOWDY, John M. Bioeconomics and Sustainability: Essays in honor of Nicholas Georgescu-Roegen. Cheltenham: Edward Elgar, 1999.

MEADOWS, D. H.; et al. The limits to growth. New York: Universe Books, 1972.

MELNICK, Sergio. Principales escuelas, tendencias y corrientes de pensamento. In: SUNKEL, O.; GLIGO, N. Estilos de desarrollo y medio ambiente en la América Latina. México: Fondo de Cultura Económica, 1980.

NOBRE, M.; AMAZONAS, M. C. (Orgs.) Desenvolvimento Sustentável: A institucionalização de um conceito. Brasília: Ed. Ibama, 2002.

OCAMPO, José A. Cincuenta años de la CEPAL. Revista de la CEPAL, n. extraordinario, p. 11-16, oct. 1998.

PAZOS, F. Cincuenta años de pensamiento económico en América Latina. El trimestre Económico, v. 50, n. 4, p. 1915-1948, oct.-dic. 1983.

PEPELASIS, A.; MEARS, L.; AD490-ELMAN, I. Determinantes do desenvolvimento econômico. São Paulo: Atlas, 1961.

PINTO, Aníbal. El pensamiento de la cepal y su evolución. El Trimestre Económico, v. LXXXVI, n. 343, p. 743-79, jul.-sept. 2019.

PREBISCH, R. El desarrollo económico de la América Latina y algunos de sus principales problemas. El Trimestre Económico, v. 16, n. 63, p. 347-431, jul.-sept. 1949.

PREBISCH, R. Hacia una teoría de la transformación. Revista de la CAPAL, Santiago de Chile, n. 12, 1980.

RODRIGUES, Octávio. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; CEPAL, 2009.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável e mudança institucional: notas preliminares. Texto para Discussão, Campinas, IE-Unicamp, n. 68, abr. 1999.

ROMEIRO, A. R. Economia ou economia política da sustentabilidade. In: MAY, P. H. (Org.). Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, p. 65-92, 2012.

ROPKE, Inge. The early history of modern ecological economics. Ecological Economics, n. 50, p. 293-314, 2004.

SACHS, I. Estrategias de desarrollo con requerimientos energéticos moderados: problemas y enfoques. Revista de la CEPAL, Santiago de Chile, n. 12, 1980.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI. In: BURSZTYN, Marcel (Org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993.

SACHS, I. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SALLES, A. O. T.; LINHAUS, S. Distinção social, distanciamento da realidade, felicidade, ou necessidade? Um ensaio sobre o consumo, sua importância e significados na interpretação de Pierre Bourdieu, Jean Baudrillard e Zygmunt Bauman. Revista de Economia do Centro-Oeste, v. 6, n. 1, p. 51-75, 2020.

SCHUMPETER, J. A. History of economic analysis. Oxfordshire: Taylor & Francis e-Library, 2006 [1954].

SPASH, Clive L. The Development of Environmental Thinking in Economics. Environmental Values, n. 8, p. 413-35, 1999.

SUNKEL, O; GLIGO, N. Estilos de desarrollo y medio ambiente en la América Latina. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1980.

SUNKEL, O. La dimensión ambiental en los estilos de desarrollo de América Latina. Santiago do Chile: Cepal; Pnuma, 1981.

SUNKEL, O; et al. La dimensión ambiental en la planificación del desarrollo. Vol. 1. Buenos Aires: Latinoamericano, 1986.

TOLBA, M. K. Los actuales estilos de desarrollo y los problemas del medio ambiente. Revista de la CEPAL, Santiago de Chile, nº 12, 1980.

UTRIA, R. D. La dimension ambiental del desarrollo y su planificacion. Bogotá: Cepal; Pnuma, 1986.

VEBLEN, T. B. Instinto para o artesanato e aversão ao trabalho em geral. [1898] Oikos: Revista de Economia Heterodoxa, Rio de Janeiro, n. 8, ano VI, 2007.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

VEIGA, J. E.; CECHIN, A. D. A economia ecológica e evolucionária de Georgescu‑Roegen. Revista de Economia Política, v. 30, n. 3 (119), p. 438-454, 2010.

WADE, Nicholas. Nicholas Georgescu-Roegen. Entropy the Measure of Economic Man. Science, new series, v. 190, n. 4213, p. 447-450, oct. 1975.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br