Estruturalismo cepalino e tecnologias de informação e comunicação: um debate para a América Latina

Jaqueline Moraes Assis Gouveia

Resumo


Este artigo busca analisar a forma como as Tecnologias de Informação e Comunicação parecem alterar o comportamento da estrutura centro-periferia em dois sentidos. O primeiro, como sendo um comportamento que redefine o conceito, no sentido de que as fronteiras entre os países já não são mais nítidas, e o segundo como a moldagem de um novo tipo de sociedade, a era digital, que permite inserções de formas diferenciadas, o que pode levar a ocasião de uma digital opportunity para os países subdesenvolvidos superarem o subdesenvolvimento ou um digital divide, aumentando a distância entre os polos de centro e periferia.


Palavras-chave


Estruturalismo; América Latina; Tecnologias de Informação e Comunicação; Subdesenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


AVGEROU, C. The link between ICT and economic growth in the discourse of development. In: Organizational information systems in the context of globalization. Athens: Springer US, 2003.

BRYNJOLFSSON, E.; SAUNDERS, A. Wired for innovation. How Information technology in reshaping the economy. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology, 2010.

CARNEIRO, R. de M. Velhos e novos desenvolvimentismos. Economia e Sociedade, v. 21, n. Especial, p. 749-778, 2012.

CEPAL. Transformação produtiva com equidade: a tarefa prioritária do desenvolvimento da América Latina e do Caribe nos anos 1990. In: Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record/CEPAL, v. 2, 2000.

CHESBROUGH, Henry W. The era of open innovation. Managing innovation and change, v. 127, n. 3, p. 34-41, 2006.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CIMOLI, M. et al. Instituições e políticas moldando o desenvolvimento industrial: uma nota introdutória. Revista brasileira de inovação, v. 6, n. 1, p. 55-85, jan.-jun. 2007.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, C. Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Paz e Terra, 1978.

FURTADO, C. Cultura e desenvolvimento em época de crise. São Paulo: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, C. O capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GUIMARÃES, V. et al. Convergências e complementaridades da corrente neo-schumpeteriana com o pensamento estruturalista de Celso Furtado. In: SABOIA, João; CARVALHO, Fernando J. Cardim de. Celso Furtado e o século XXI. Rio de Janeiro: Manole, 2007.

HILBERT, Martin R. From industrial economics to digital economics: an introduction to the transition. New York: United Nations Publications, 2001a.

HILBERT, Martin R. Latin America on its path into the digital age: where are we? New York: United Nations Publications, 2001b.

HIRATUKA, C; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil: uma contribuição ao debate. Campinas: IE/UNICAMP, 2015.

HIRSCHMAN, A. O. A dissenter’s confession: “The strategy of economic development” revisited. Pioneers in development, v. 1, p. 85-111, 1984.

LLERENA, P.; MATT, M. (Eds.). Innovation policy in a knowledge-based economy: theory and practice.[S. l.]: Springer Science & Business Media, 2005.

MAS, M.; QUESADA, J. ICT and Economic Growth. [S. l.]: [s. n.], 2005.

MCMILLAN, M. S.; RODRIK, D. Globalization, structural change and productivity growth. Montreal: National Bureau of Economic Research, 2012.

PERES, W.; HILBERT, M. R. Information societies in Latin America and the Caribbean: development of technologies and technologies for development. Santiago do Chile: ECLAC, 2010.

PORTER, M. E. et al. The global competitiveness report 2001-2002. Nova York: Oxford University Press, 2002.

PREBISCH, R. El desarrollo económico de la América Latina y algunos de sus principales problemas. El trimestre económico, v. 16, n. 63, p. 347-431, 1949.

PREBISCH, R. Capitalismo periférico. Crisis y transformación. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica1981.

PREBISCH, R. Cinco etapas de mi pensamiento sobre el desarrollo. El trimestre económico, v. 50, n. 198, p. 1077-1096, 1983.

RODRÍGUEZ, O. Teoria do subdesenvolvimento da Cepal. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1981.

RODRÍGUEZ, O. Aprendizaje, acumulación, absorción: las tres claves del desarrollo. Estudios Sociológicos, v. 16, n. 48, p. 515-548, sept.-dec. 1998.

RODRÍGUEZ, O. Furtado e a renovação da agenda do desenvolvimento. In: SABOIA, João; CARVALHO, Fernando J. Cardim de (Orgs.). Celso Furtado e o século XXI. Barueri, Rio de Janeiro: Manole; IE/UFRJ, 2007.

RODRÍGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME. Human Development Report. New York: Oxford University Press, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Jaqueline Moraes Assis Gouveia

            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br

 

Indexado por