Indústria do Petróleo e Gás Natural: uma vocação desperdiçada

André Tosi Furtado

Resumo


Ainda que o Brasil tenha se engajado, a partir do primeiro choque do petróleo de 1973, em uma política ousada de substituição do petróleo por outras fontes energéticas, ele se manteve como a principal fonte de energia que move a economia brasileira até os dias atuais. Essa continuidade do petróleo na matriz energética se deve em grande medida ao crescimento da oferta interna, a qual se apoiou na estratégia bem-sucedida da Petrobras de desenvolver a produção desse hidrocarboneto em águas profundas e ultraprofundas. Todavia, o sucesso tecnológico e produtivo da estatal brasileira acabou aprisionando o país na armadilha da petrodependência. (LEIA MAIS)


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E.; OLIVEIRA P.V.; LOSEKAN, L. Impactos da contenção dos preços de combustíveis no Brasil e opções de mecanismos de precificação. Revista de Economia Política, vol. 35, n. 3 (140), p. 531-556, julho-setembro, 2015.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Recursos Financeiros das Cláusulas de Investimentos em PD&I, 2019. Disponível em: http://www.anp.gov.br/pesquisa-desenvolvimento-e-inovacao/investimentos-em-p-d-i/recursos-financeiros-das-clausulas-de-investimentos-em-p-d-i.

Acesso em: 20 mar. 19.

BARAT, J. A evolução dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE-IPEA, 1978.

_______; NAZARETH, P.B. Transporte e energia no Brasil: as repercussões da crise do petróleo. Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 14, n. 1, p. 197-244, 1984.

BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Perspectivas do Investimento, vários anos.

CALABI A. S. et al. A energia e a economia brasileira: interações econômicas e institucionais no desenvolvimento do setor energético no Brasil. São Paulo: FIPE-Pioneira, 1983.

CANO. W. (Des)industrialização e (sub)desenvolvimento. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, vol. 9, n. 15, p. 139-174, jul.-dez. 2014.

EPE. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2018: ano base 2017. Rio de Janeiro: Empresa de Pesquisa Energética, 2018.

FURTADO, A. A crise energética mundial e o Brasil. Novos Estudos Cebrap (Impresso), vol. 11, n. 11, p.17-29, 1985.

_______. A trajetória tecnológica da Petrobras na produção offshore. Espacios, Caracas, Venezuela, vol.17, n.3, p. 31-66, 1996.

_______. Structural Changes in the Brazilian Energy Matrix. Terrae, Campinas, vol. 6, p. 42-51, 2009.

_______. Pré-sal, desenvolvimento industrial e inovação. Revista Paranaense de Desenvolvimento (Online), vol. 34, p. 79-100, 2013.

_______; SCANDIFFIO, M. I. G.; CORTEZ, L. A. B. The Brazilian sugarcane innovation system. Energy Policy, vol. 39, p. 156-166, 2011.

FURTADO, C. [1961]. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Boitempo, 2009.

MORAIS, J. M. de. Petróleo em águas profundas: uma história tecnológica da Petrobras na exploração e produção offshore. Ipea: Brasília, 2013. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=18251 Acesso em: 20 mar. 19.

SINAVAL. Informes, 2018. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 19.

OLIVEIRA, A. de. Pré-sal: a oportunidade e seus desafios. Revista USP, n. 95, p. 23-32, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i95p23-32.

PETROBRAS. Planos de Negócios e Gestão, vários anos. Disponível em: http://www.investidorpetrobras.com.br/pt/apresentacoes/plano-de-negocios-e-gestao Acesso em: 20 mar. 19


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 André Tosi Furtado

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por