Desindustrialização brasileira: uma análise à luz do controverso debate

Vinícius da Silva Centeno

Resumo


RESUMO

O presente trabalho busca analisar o processo de desindustrialização enfrentado pelo Brasil a partir da contraposição de diferentes teses sobre o tema, avaliando se é de ordem estrutural ou decorrente de política econômica deliberada. O período pós-abertura comercial foi marcado pela alteração do modelo de desenvolvimento e da agenda de industrialização, o que provocou mudanças estruturais na economia brasileira. Observou-se, diferentemente do que alega a teoria convencional, que o processo de desindustrialização não corresponde ao conceito clássico, fenômeno considerado natural nas economias desenvolvidas. No Brasil, as características apontam para um caso de desindustrialização precoce, com ocorrência de doença holandesa. As conclusões apontam que, somados à abertura comercial mal planejada, as falhas no modelo de desenvolvimento com protecionismo e o denominado ‘boom das commodities’ foram preponderantes para a ocorrência de desindustrialização recente.

Palavras-chave: Desindustrialização; Mudanças Estruturais; Subdesenvolvimento.

Classificação JEL: L6. O25. O54.

ABSTRACT

This work analyses the process of de-industrialisation experienced by Brazil, based on the contrast between different theories on the subject and assessing whether it is of a structural nature or the result of a deliberate economic policy. The post-opening-up-of-trade period was marked by a change in the development model and the industrialisation agenda, which resulted in structural changes occurring in the Brazilian economy. It was noted that, differently to that which conventional theory dictates, the process of de-industrialisation does not correspond to the classic concept, a phenomenon considered as natural in developed economies. In Brazil, the characteristics observed suggest a premature case of de-industrialisation, with the occurrence of the Dutch disease. The conclusions suggest that, added to a poorly managed opening up of trade, the flaws in the development model with protectionism and the so-called “boom in commodities” were primarily responsible for the recent de-industrialisation process witnessed in Brazil.

Keywords: Deindustrialization; Structural Changes; Underdevelopment. 


Texto completo:

PDF

Referências


AREND, M. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho [Texto para discussão, nº 2.105]. Rio de Janeiro, Ipea, p. 1-62, 2015. Disponível em: < http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/4620/1/td_2105.pdf>.

BACHA, E. Bonança externa e desindustrialização no Brasil: uma análise do período 2005-2011. In: _______. O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BONELLI, R.; PESSOA, S.; MATOS, S. Desindustrialização no Brasil: fatos e interpretação. In: BACHA, E. O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013, p. 201-225.

BRESSER-PEREIRA L. C. A taxa de câmbio no centro da teoria do desenvolvimento. Estudos Avançados. vol. 26(75), p. 7-28, 2012. Disponível em: .

BRESSER-PEREIRA, L. C.; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil?. Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas, vol. 4, 2007. Disponível em: .

BRESSER-PEREIRA, L.C.; MARCONI, N.; OREIRO, J.L. A doença holandesa. In:________. Globalização e competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, p. 141-171.

CARVALHO, L. Valsa brasileira: Do boom ao caos econômico. São Paulo: Editora Todavia, 2018.

CASTRO, A. B. A reestruturação industrial brasileira nos anos 90. Uma interpretação. Revista de Economia

Política, vol. 21, n. 3, p. 3-26, 2001. Disponível em: < http://www.rep.org.br/pdf/83-1.pdf>.

DEPECON. DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E ESTUDOS ECONÔMICOS. Perda de participação da

indústria de transformação no PIB. São Paulo: Fiesp, maio, 2015.

FEIJÓ, Carmem A.; CARVALHO, Paulo G. M.; ALMEIDA, Julio S. G. Ocorreu uma desindustrialização

no Brasil? Carta do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial, São Paulo, nov. 2005.

FONSECA, P. C. D. O processo de substituição de importações. In: REGO, J.M.; MARQUES, R.M.

(Org.). Formação econômica do Brasil. São Paulo: Editora Saraiva, 2003.

_______. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In: CALIXTRE, A. B.; BIANCARELLI, A. M.;

CINTRA, M. A. M. (Orgs.). Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: IPEA, 2015, p. 29-70.

HIRATUKA, C.; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil. Revista de Economia Política, vol. 37, n. 1, 2017. Disponível em:

https://www3.eco.unicamp.br/neit/images/destaque/REP_146-10-1.pdf>.

KALDOR, N. Alternative theories of distribution. Review 01 Economic Studies, [S.I.], vol. 2, n. 2, 1956

KUME, H.; PATRICIO, J. A. A reforma aduaneira proposta pela CPA: um primeiro passo para formulação

de uma política tarifária. Revista Brasileira do Comércio Exterior, [S.I.], n. 15, 1988. Disponível

em: .

LAZZARINI, S. G.; JANK, M.S.; INOUE, C.; F. K. Commodities no Brasil: maldição ou bênção. In: BACHA,

E. O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 2013, p. 201-222.

NASSIF, A. Há evidências de desindustrialização no Brasil?. Brazilian Journal of Political Economy, [S.I.],

vol. 28, n. 1, p. 72-96, 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rep/v28n1/a04v28n1.pdf>.

OREIRO, J. L.; FEIJÓ, C. A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Brazilian

Journal of Political Economy, [S.I.], vol. 30, n. 2, p. 219-232, 2010. Disponível em: < http://www.

scielo.br/pdf/rep/v30n2/03.pdf>.

PALMA, J. G. Cuatro fuentes de “desindustrialización” y un nuevo concepto del “síndrome holandés”. In: OCAMPO, J.A. Más allá de las reformas: dinámica estructural y vulnerabilidad macroeconómica.

Bogotá: Alfaomega/Cepal, 2005. p. 79-129.

PASTORE, A. C.; GAZZANO, M.; PINOTTI, M. C. Por que a produção industrial não cresce desde

? In: BACHA, E.; BOLLE, M. (Org.). Desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 2013.

PIRES, M.C. Economia brasileira: da colônia ao governo Lula. São Paulo: Saraiva, 2010.

ROSENSTEIN-RODAN, P. N. Problems of industrialization of eastern and south-eastern Europe. The

Economic Journal, vol. 53, n. 210/211, p. 202-211, 1943.

_______. Notes on the theory of the ‘big push’. In: _______. Economic Development for Latin America. London: Palgrave Macmillan, 1961, p. 57-81. Disponível em:

handle/1721.1/82984/10061432.pdf?sequence=1±>.

ROWTHORN, R. Korea at the cross-roads. ESRC Centre for Business Research. Cambridge University:

Working Paper, 1994.

ROWTHORN, R.; RAMASWAMY, R. Deindustrialization: causes and implications. [S.I.], 1997.

SUZIGAN, W. Indústria brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Brasiliense, 1986.

SZIRMAI, A. Industrialization as an engine of growth in developing countries, 1950-2005. Structural

Change and Economic Dynamics, [S.I.], vol. 23, p. 406-420, 2012. Disponível em: < https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0954349X1100018X>.

SZIRMAI, A.; VERSPAGEN, B. Manufacturing and economic growth in developing countries, 1950–2005.

Structural Change and Economic Dynamics, [S.I.], vol. 34, p. 46-59, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Vinícius da Silva Centeno

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por