Uma revisão sobre o debate desenvolvimentista e a distribuição de renda

Jander Luiz Silva Archanjo

Resumo


As teorias social e novo-desenvolvimentista surgem como resposta ao fracasso neoliberal em promover o desenvolvimento econômico no Brasil. Apesar de constituírem estratégias que buscam estimular a demanda agregada como forma de elevar os investimentos e impulsionar o crescimento, trata-se de estratégias que possuem diferentes implicações para a distribuição da renda, uma vez que se apoiam em estratégias de crescimento divergentes. Nesse sentido, o presente trabalho busca sintetizar as proposições social e novo-desenvolvimentistas e suas implicações para a distribuição da renda na sociedade, ressaltando suas divergências e as críticas realizadas a essas teorias. Verifica-se que, no projeto novo-desenvolvimentista, a melhoria da distribuição de renda demandaria alguns anos para ser verificada após a implementação do projeto, enquanto no projeto social-desenvolvimentista, a redistribuição de renda seria favorecida desde o início da implementação da estratégia.


Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, Pedro Paulo Zahluth. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social desenvolvimentismo. Economia e sociedade. vol. 21, n.spe, p.779-810, 2012.

BIANCARELLI, André; ROSSI, Pedro. A política macroeconômica em uma estratégia social-desenvolvimentista. Revista Brasileira de Planejamento e Orçamento, vol. 4, n. 1, p. 21-38, 2014.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e Sociedade, vol. 21, n. 4, p. 729-747, 2012.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Teoria novo-desenvolvimentista: uma síntese. Cadernos do Desenvolvimento, vol. 11, n. 19, p.145-165, jul.-dez. 2016.

_____________. Reflexões sobre o novo desenvolvimentismo e o desenvolvimentismo clássico. Revista de Economia Política, vol. 36, n. 2, p. 143, 2016a.

_____________. Globalização e competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2009.

_____________. Macroeconomia da estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós-1994. São Paulo: Editora 34, 2007.

_____________; OREIRO, José Luis; MARCONI, Nelson. Macroeconomia desenvolvimentista: teoria e política econômica do novo desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

_____________; MOREIRA, Thiago de Moraes. Why developing countries should not incur foreign debt: the Brazilian experience. Texto para Discussão EESP/FGV, n. 427, set. 2016.

_____________; GALA, P. Por que a poupança externa não promove o crescimento. Revista de Economia Política, São Paulo, vol. 27, n. 1 (105), p. 3-19, jan.-mar. 2007.

_____________; NAKANO, Y. Crescimento com poupança externa? Revista de Economia Política, São Paulo, vol. 23, n. 2 (90), abr.-jun. 2003.

CARNEIRO, Ricardo de Medeiros. Velhos e novos desenvolvimentismos. Economia e Sociedade, vol. 21, n.spe, p. 749-778, dez. 2012.

CASTELO BRANCO, Rodrigo. Crescimento econômico e equidade social: o modelo novo-desenvolvimentista de intervenção sobre a questão social. In: Anais da III Jornada Internacional de Políticas Públicas, São Luis (MA), 2007. Disponível em: Acesso em: 02 out. 2018.

FERRARI FILHO, Fernando; FONSECA, P. C. D. Which developmentalism? A Keynesian-Institutionalist wage-led proposal. Review of Keynesian Economics, vol. 3, n. 1, p. 90-107, 2015.

FERRARI FILHO, Fernando; PAULA, Luiz Fernando de. Padrões de crescimento e desenvolvimentismo: uma perspectiva keynesiano-institucionalista. Nova Economia, v. 26, n. 3, p.775-807, 2016.

FRITZ, Barbara; PAULA, Luiz Fernando de; PRATES, Daniela. Developmentalism at the periphery: can productive change and income redistribution be compatible with global financial asymmetries? deguALdades, Working Paper Series, n. 101, 2017.

GONÇALVES, Reinaldo. Novo desenvolvimentismo e liberalismo enraizado. Serviço Social & Sociedade, vol. 112, p. 637-671, 2012.

KALDOR, Nicholas. Marginal productivity and the macro-economic theories of distribution: comment on Samuelson and Modigliani. The Review of Economic Studies, vol. 33, n. 4, p. 309-319, 1966.

KEYNES, John M. [1936] A teoria geral do juro, da moeda e do emprego. São Paulo: Abril, 2012.

LISBOA, Marcos de Barros; PESSOA, Samuel. Crítica ao novo-desenvolvimentismo. Cadernos do Desenvolvimento, vol. 11, n. 19, p. 181-189, 2016.

MAGALHÃES, João Paulo de Almeida. Keynes e a nova economia do desenvolvimento. In: SICSÚ, J.; VIDOTTO, C. Economia do desenvolvimento: teoria e políticas keynesianas. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 160-174, 2008.

_____________. Brasil século XXI: uma alternativa ao modelo neoliberal. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

MOLLO, Maria de Lourdes Rollemberg. Desenvolvimentismos, inclusão social e papel do Estado. Cadernos do Desenvolvimento, vol. 11, n. 19, p. 131-143, 2016.

_____________; AMADO, Adriana Moreira. O debate desenvolvimentista no Brasil: tomando partido. Economia e Sociedade, vol. 24, n. 1, p. 1-28, 2015.

OREIRO, José Luis. Novo-desenvolvimentismo, crescimento econômico e regimes de política macroeconômica. Estudos Avançados, vol. 26, n. 75, p. 29-40, 2012.

_____________; MARCONI, Nelson. O novo-desenvolvimentismo e seus críticos. Cadernos do Desenvolvimento, vol. 11, n. 19, p. 167-179, 2016.

SICSÚ, João. Planejamento estratégico do desenvolvimento e as políticas macroeconômicas. Texto para discussão 1346. Brasília: Ipea, 2008.

_____________; PAULA, Luiz Fernando de; MICHEL, Renaut. Por que novo-desenvolvimentismo. Revista de Economia Política, vol. 27, n. 4, p. 507-524, 2007.

THIRLWALL, Anthony P. Keynes and economic development. Economia Aplicada, vol. 11, n. 3, p. 447- 457, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Jander Luiz Silva Archanjo

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por