O Brasil na encruzilhada: apontamentos para uma reforma do Estado de natureza republicana, democrática e desenvolvimentista

José Celso Cardoso Jr.

Resumo


Na atual quadra de desenvolvimento nacional, o Brasil encontra-se diante de escolhas irreconciliáveis. Ou se submete aos processos de moralização arcaica dos costumes, valores antidemocráticos e criminalização da política e dos movimentos sociais, ou se levanta e luta. Ou adota o caminho da mediocridade e da subalternidade (econômica, política e social; mas também intelectual, moral e cultural), ou se reinventa como nação para escrever o seu próprio destino histórico.

Para irmos ao ponto, sem tergiversar, essa é a encruzilhada civilizatória na qual se encontra o país neste fatídico ano de 2016. Nestes termos, cabe buscar uma interpretação — ainda que geral — acerca dos determinantes principais da situação atual, bem como aventar condições e caminhos para algum tipo de superação positiva frente ao impasse nacional desse período histórico.

Resumidamente, por razões cujas explicações completas extrapolam o escopo deste texto, a conjuntura brasileira (política e econômica) deteriorou-se em 2015, colocando dúvidas sobre a continuidade do processo de desenvolvimento em curso desde 2003, no qual três vetores impulsionaram a dinâmica econômica, a saber: i) o alargamento do mercado consumidor doméstico; ii) os investimentos em infraestrutura econômica, social e urbana, capitaneados pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) desde 2007; e iii) a expansão dos investimentos e exportações no amplo segmento dos recursos naturais (agropecuária e extração mineral), em particular commodities.

Muito brevemente, referimo-nos a um conjunto de fatores como:

• A persistência da crise econômica internacional que se arrasta desde 2008.

• A queda dos preços internacionais do petróleo, situação que se vê agravada, no caso brasileiro, por denúncias de corrupção envolvendo contratos superfaturados da Petrobras, a principal empresa estatal nacional a compor o arranjo até aqui exitoso de recuperação de investimentos em infraestrutura no país.

• A sobreposição de crise hídrica e crise energética, afetando justamente a região Sudeste – vale dizer, a mais industrializada e populosa – do Brasil.

• Uma crise política decorrente do acirramento ideológico havido nas últimas eleições presidenciais brasileiras em 2014, e que se desdobra, desde então, em fortes tensões e descrédito intra e entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, todos envolvidos em casos de corrupção ativa ou passiva.

• Por fim, mas não menos importante, e sem pretender estender demasiadamente a lista, uma profunda crise de legitimidade e desconfiança sobre os principais meios de comunicação privados do país (televisões, rádios, jornais e revistas, impressos e eletrônicos), os quais assumiram posicionamentos político-ideológicos e atitudes abertamente oposicionistas ao governo, em particular ao Partido dos Trabalhadores (PT), por meio das quais conseguiram deflagrar o golpe de Estado de 2016 no país.


Tudo somado, trata-se, portanto, de ambiente bastante acirrado de contradições que vem jogando para baixo tanto o nível pretérito de confiança engendrado pelos três motores de expansão acima indicados, como as expectativas futuras da classe empresarial (nacional e estrangeira) em relação às perspectivas de novos negócios e sustentação do crescimento econômico. Assim, podemos resumir a situação dizendo que a convenção de crescimento, que ancorou a trajetória relativamente exitosa da economia brasileira entre 2003 e 2013, pode ter se esgotado ou estar aguardando o desfecho dos acontecimentos narrados acima (IPEA, 2010).3

De todo modo, nada do que venha a ocorrer invalida os argumentos apresentados neste trabalho com relação ao momento situacional da vida nacional e à encruzilhada civilizatória brasileira mencionada acima. Daí a necessidade de se perscrutar os determinantes gerais da situação presente (seção 1), bem como vislumbrar condições e caminhos para a superação positiva do impasse atual (seção 2).


Texto completo:

PDF

Referências


BIELSCHOWSKY, R. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. In: CALIXTRE, A.; BIANCARELLI, A.; CINTRA, M. A. M. (Orgs.). Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: Ipea, 2014.

CARDOSO JR., J. C. (Org.). A reinvenção do planejamento governamental no Brasil. v. 4. Série Diálogos para o Desenvolvimento. Brasília: Ipea, 2011.

_______. Estado, planejamento, gestão e desenvolvimento: balanço da experiência brasileira e desafios no

século XXI. Documentos de Projetos e Pesquisas. Santiago, Chile: Ilpes/Cepal, 2014.

_______ . Mudança Estrutural para a Igualdade: uma visão integrada do desenvolvimento. Santiago, Chile: CEPAL, 2014.

_______. (Org.). Planejamento Brasil Século XXI: inovação institucional e refundação administrativa - elementos para o pensar e o agir. Brasília: Ipea, 2015.

_______. et alli (Orgs.). Resistência e Contestação: sociedade brasileira e comunidade internacional contra o golpe. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2016.

CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Prospectiva y Desarrollo: el clima de la igualdad en América Latina y el Caribe a 2020. Santiago, Chile: Cepal, 2013.

CIA (CENTRAL INTELLIGENCE AGENCY). O Novo Relatório da CIA: como será o amanhã. São Paulo: Geração Editorial, 2009.

CINTRA, M.; BIANCARELLI, A.; CALIXTRE, A. Presente e Futuro do Desenvolvimento Brasileiro. Brasília: Ipea, 2014.

DRAIBE, S. M. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

ESCOBAR, A. R.; GONZÁLEZ, L. M. Visiones de Desarrollo y Planeación de Largo Plazo em América Latina y el Caribe: notas a partir de la experiência de cuatro países (Brasil, Colombia, Peru, República Dominicana). Serie Gestión Pública n. 82. Santiago, Chile: Ilpes-Cepal, 2014.

FONSECA, P. D. Vargas: o capitalismo em construção (1906-1954). São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

_______. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In: CALIXTRE, A.; BIANCARELLI, A.; CINTRA, M. A. M. (Orgs.). Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: Ipea, 2014.

GARCIA, R. C. Reorganização do processo de planejamento do governo federal: o PPA 2000-2003. Texto para Discussão, Brasília, Ipea, n. 726, 2000.

GENTILI, P. Golpe en Brasil: genealogia de una farsa. Buenos Aires: CLACSO; Fundación Octubre; UMET (Universidad Metropolitana para la Educación y el Trabajo), 2016.

GODET, M. A. “Caixa de Ferramentas” da Prospectiva Estratégica. Lisboa: CEPES (Centro de Estudos de Prospectiva e Estratégia), 2000.

GODET, M.; DURANCE, P. A Prospectiva Estratégica: para as empresas e os territórios. Genebra: Unesco, 2011.

GUIMARÃES, J. et al. (Orgs.). Risco e futuro da democracia brasileira: direito e política no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2016.

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

_______. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2005.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil, v. 3, Coleção Revisitando o Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

IPEA. Macroeconomia para o desenvolvimento: crescimento, estabilidade e emprego. Projeto Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, livro 4. Rio de Janeiro: Ipea, 2010.

JINKINGS, I. et al. (Orgs.). Porque gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

KATZ, C. Neoliberalismo, Neodesenvolvimentistmo, Socialismo. Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2016.

KON, A. (Org.) Planejamento no Brasil II. São Paulo: Perspectiva, 1999.

LIRA, L. Revalorización de la Planificación del Desarrollo. Serie Gestión Pública n. 59. Santiago, Chile: Ilpes-Cepal, 2006.

MARCIAL. E. (Org.). Megatendências Mundiais 2030: o que entidades e personalidades internacionais pensam sobre o futuro do mundo? Contribuição para um debate de longo prazo para o Brasil. Brasília: Ipea, 2015.

_______; GRUMBACH, R. Cenários Prospectivos: como construir um futuro melhor. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2008.

MÁTTAR, J; PERROTI, D. Planificación, Prospectiva y Gestion Pública: reflexiones para la agenda de desarrollo. Santiago, Chile: CEPAL, 2014.

MATUS, C. Adeus, Senhor Presidente: governantes governados. São Paulo: Ed. Fundap, 1996.

MINDLIN, B. Planejamento do Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2001.

PRONER, C. et al. (Orgs.). A resistência ao golpe de 2016. Bauru: Canal 6, 2016.

SOUZA, P. (Org.). Brasil, Sociedade em Movimento. Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. São Paulo: Paz e Terra , 2015.

NEPOMUCENO, E. et al. Brasil: golpe de 2016. Madrid: Ediciones Ambulantes, 2016.

VÁSQUEZ, J. M. Función de Pensamiento de Largo Plazo: acción y redimensionamiento institucional. Serie Gestión Pública n. 5. Santiago, Chile: Ilpes-Cepal, 2000.

_______; BECERRA, S.; CASTAÑO, P. Prospectiva y Política Pública para el Cambio Estructural en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile: CEPAL, 2014.

_______; ORTEGÓN, E. Manual de Prospectiva y Decisión Estratégica: bases teóricas e instrumentos para América Latina y el Caribe. Serie Manuales n. 51. Santiago, Chile: Ilpes-Cepal, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 José Celso Cardoso Jr.

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por

   

 

Associados Patronos do Centro Celso Furtado