As diferentes trajetórias de desenvolvimento de Brasil e Venezuela (1945-2015)

Tiago Nery

Resumo


Este artigo pretende compreender de que maneira as relações entre o Estado e o setor empresarial influenciaram os modelos de desenvolvimento de Brasil e Venezuela entre 1945 e 2015. Na primeira seção, são analisadas as especificidades do desenvolvimento latino-americano entre a Segunda Guerra Mundial e a crise do projeto desenvolvimentista. Na segunda, faz-se uma análise das principais políticas doméstica e externa dos governos Fernando Henrique, Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. A terceira seção analisa as particularidades do subdesenvolvimento venezuelano, os efeitos das políticas neoliberais, as transformações ocorridas após a vitória de Hugo Chávez e os impasses da Revolução Bolivariana. Por fim, a conclusão enfatiza a importância da perspectiva histórica para a compreensão das trajetórias de desenvolvimento de Brasil e Venezuela. Apesar dos avanços recentes, os governos progressistas não conseguiram modificar a estrutura produtiva, nem superar a condição periférica de seus países no sistema internacional.


Texto completo:

PDF

Referências


AMSDEN, A. H. A ascensão do “resto”: os desafios ao Ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

ANASTASIA, F.; MELO, C. R.; SANTOS, F. (Orgs.). Venezuela: um país dividido. In: _______. Governabilidade e representação política na América do Sul. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer. São Paulo: Editora UNESP, 2004, p. 135-156.

BARROS, P. Chávez e petróleo: uma análise da nova política econômica venezuelana. Cadernos PROLAM/USP. São Paulo, vol. 2, ano 5, 2006, p. 209-237.

BERRINGER, T. A tese do imperialismo brasileiro em questão. Revista Crítica Marxista, Campinas, vol.36, 2013, p. 115-127.

BOSCHI, R. Instituições, trajetórias e desenvolvimento: uma discussão a partir da América Latina. In:_______ (Org.). Variedades de capitalismo, política e desenvolvimento na América Latina. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, p. 7-30.

_______.; GAITÁN, F. Empresas, Capacidades Estatales y Estratégias de Desarrollo en Argentina, Brasil y Chile. 2008. p. 51. Disponível em . Acesso em: 31/07/2014.

_______. Politics and Trajectory in Brazilian capitalist development: recent trends. 2010. In: Conference The Revival of Political Economy: Prospects for Sustainable Provision, Coimbra, 21-23, October 2010.

BOYER, R. Teoria da regulação: os fundamentos. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A construção política do Brasil: sociedade, economia e estado desde a independência. São Paulo: Editora 34, 2014.

CANO, W. (Des)Industrialização e (Sub)Desenvolvimento. Disponível em: . Acesso em: 10/11/2014.

CARDOSO, A. Sindicatos e pós-neoliberalismo na América Latina. In: LIMA, M. R.S. de. (Org.). Desempenho de governos progressistas no Cone Sul: agendas alternativas ao neoliberalismo. Rio de Janeiro: Edições IUPERJ, 2008, p. 88-106.

CARDOSO, F. H; FALETTO, E. Dependência e Desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. 10ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS. A política de valorização do salário mínimo: persistir para melhorar. Nota técnica. São Paulo, n. 136, mai. 2014, p. 1-14.

DINIZ, E. Depois do neoliberalismo: rediscutindo a articulação estado e desenvolvimento no novo milênio. In: BOSCHI, R. (Org.). Variedades de capitalismo, política e desenvolvimento na América Latina. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, p. 31-55.

DOMINGUES, J. M. A América Latina e a modernidade contemporânea: uma interpretação sociológica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

_______. O Brasil entre o presente e o futuro: conjuntura interna e inserção internacional. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013.

DUPAS, G.; OLIVEIRA, M. F. A União Sul-Americana de Nações: oportunidades econômicas e entraves políticos. In: AYERBE, Luis F. (Org.). Novas Lideranças Políticas e Alternativas de Governo na América do Sul. São Paulo: Editora UNESP, 2008, p. 235-263.

ELLNER, S. Venezuela’s Social-Based Democratic Model: innovations and limitations. Journal of Latin American Studies, vol. 43, 2011, p. 421-449.

FILGUEIRAS, L. A natureza e os limites do desenvolvimentismo no capitalismo dependente brasileiro. Margem Esquerda, São Paulo, n. 23, out. 2014, p. 32-38.

FURTADO, C. A economia latino-americana: formação histórica e problemas contemporâneos. 4ª Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_______. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2008.

_______. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

GARCIA, M. A. Dez anos de política externa. In: SADER, E. (Org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo, Rio de Janeiro: FLACSO Brasil, 2013, p. 53-67.

GOLDENSTEIN, L. Repensando a dependência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

GONÇALVES, R. Desenvolvimento às avessas: verdade, má-fé e ilusão no atual modelo brasileiro de desenvolvimento. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

HIRST, M.; LIMA, M. R. S.; VIEIRA, M. A. Os desafios internacionais e domésticos da cooperação Sul-Sul. In: _______. (Orgs.). Vozes do Sul e agenda global: África do Sul, Brasil e Índia. São Paulo: Hucitec, 2012, p. 9-26.

KAUCHAKJE, S. International modeling and Brazilian public policies for poverty reduction. Latin American Policy, vol. 5, n. 1, 2014, p. 157-168.

KERSTENETZKY, C. L. The Brazilian social developmental state: a progressive agenda in a (still) conservative political society. In: WILLIAMS, M. (Ed.). The end of the developmental state? New York: Routledge, 2014, p. 172-196.

KOHLI, A. State-Directed Development: political power and industrialization in the global periphery. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

LIMA, M. R. S.; HIRST, M. Brasil como poder intermediário e poder regional. In: HURRELL, A. et al. Os Brics e a ordem global. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2009, p. 43-73.

MARINGONI, G. A Revolução Venezuelana. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

MEDEIROS, C. A. Celso Furtado na Venezuela. In: Furtado, C. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2008, p. 137-156.

MUSACCHIO, A.; LAZZARINI, S. Reinventando o capitalismo de estado: o leviatã nos negócios – Brasil e outros países. São Paulo: Portfolio-Penguin, 2015.

NOBRE, M. Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

OLIVEIRA, A. J.; PFEIFER, A. O empresariado e a política exterior do Brasil. In: OLIVEIRA, H. A.; LESSA, A. C. (Orgs.). Relações internacionais do Brasil: temas e agendas. São Paulo: Saraiva, 2006, vol. 2, p. 389-427.

OLIVEIRA, F. Hegemonia às avessas. In: _______.; BRAGA, R.; RIZEK, C. (Orgs.). Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010, p. 21-27.

PAULANI, L. Capitalismo financeiro, estado de emergência econômico e hegemonia às avessas no Brasil. In: OLIVEIRA, F.; BRAGA, R; RIZEK, C. (Orgs.). Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010, p. 109-134.

PEDERSEN, J. D. Globalization, development and the state. London: Palgrave Macmillan, 2008, p. 215.

PREBISCH, R. A periferia latino-americana no sistema global do capitalismo. In: _______. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011, p. 635-646.

RODRIK, D. The globalization paradox: democracy and the future of the world economy. New York: W.W. Norton & Company Inc., 2011.

SID AHMED, A. Celso Furtado e o desenvolvimento a partir da exportação de recursos naturais não renováveis. In: Furtado, C. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2008, p. 157-170.

SILVA, M. A. da; ARCE, A. M. O petróleo e a democracia na política externa da Venezuela: a difícil conciliação entre ruptura e continuísmo na era Chávez. Videre, Dourados, ano 3, n. 5 2011, p. 63-84.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

VELASCO E CRUZ, S. C. Trajetórias: capitalismo neoliberal e reformas econômicas nos países da periferia. São Paulo, Editora UNESP: Programa San Tiago Dantas de pós-graduação em relações internacionais da UNESP, Unicamp e PUC-SP, 2007.

VISENTINI, P. F. A projeção internacional do Brasil, 1930-2012: diplomacia, segurança e inserção na economia mundial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

WILPERT, G. Sinais de tempestade na Venezuela. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, n. 102, jan.2016, p. 15-16.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Tiago Nery

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por

   

 

Associados Patronos do Centro Celso Furtado