Furtado: A questão regional e a agricultura itinerante

Wilson Cano

Resumo


A temática dos desequilíbrios regionais no Brasil está presente em muitas das obras (publicadas ou não) de Celso Furtado, comumente associada à discussão do subdesenvolvimento econômico. Sua dimensão histórica abarca todo o período de nossa formação econômica, desde a colônia, e suas proposições de diagnóstico e formulação de políticas (de desenvolvimento regional) surgem a partir da década de 1950. Tal como o grupo cepalino precursor (em que teve importante participação), suas análises do subdesenvolvimento (associadas ou não à questão regional) partem do momento da maior inserção externa na grande expansão do comércio internacional decorrente da Revolução Industrial, no século XIX, e têm como centro nevrálgico as relações entre o setor primário exportador, o setor de subsistência e a forma como os benefícios do progresso técnico penetram na economia nacional e são repartidos, setorial, regional e pessoalmente. [CONTINUA]


Texto completo:

PDF

Referências


Livros

ALBUQUERQUE, R.C.; CAVALCANTI, C.V. Desenvolvimento regional no Brasil. Brasília: Ipea, 1976.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. 4ª ed. Campinas: UNICAMP /Instituto de Economia, 1998a.

______. Desequilíbrios regionais e concentração industrial em São Paulo. 2ª ed. Campinas: UNICAMP/Instituto de Economia, 1998b.

CARVALHO, O. A economia política do Nordeste. Brasília: Ed. Campus, 1988.

CARVALHO FRANCO, M.S. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: IEB-USP, 1969.

CASTRO, A.B. Sete ensaios sobre a economia brasileira. Rio de Janeiro: Forense, 1969, v.1.

DELGADO, G. Capital financeiro e agricultura. São Paulo: Hucitec, 1986.

FURTADO, C. A Operação Nordeste. Rio de Janeiro: ISEB, 1959.

______. Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. 2ªed. GTDN – Grupo de trabalho para o Desenvolvimento do Nordeste. Recife: Ministério do Interior/Sudene, 1967. (Texto não assinado pelo autor, mas de autoria confessa).

______. Formação econômica do Brasil. 4ª ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

______. Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.

______. Análise do ‘modelo’ brasileiro. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

______. A fantasia desfeita. 3ª ed. São Paulo-Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

______. O longo amanhecer. Paz e Terra. São Paulo-Rio de Janeiro, 1999.

GONÇALVES, J.S. Mudar para manter: Pseudomorfose da agricultura brasileira. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Agricultura e Abastecimento, 1999.

______. Agricultura brasileira: desafios ao fortalecimento de um setor fundamental. Série Discussão APTA 1. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Agricultura e Abastecimento, 2000.

GOODMAN, D.E.; ALBUQUERQUE, R. Incentivos à industrialização e desenvolvimento do Nordeste. Rio de Janeiro: Ipea, Inpes, 1974.

GRAZIANO, J.F. A porteira já está fechando? Ensaios de Opinião. Vol.11. Rio de Janeiro, 1979.

GUIMARÃES, L. Evolução do setor externo nordestino. Recife: Sudene, 1965.

______. Introdução à formação econômica do Nordeste. Recife: Ed. Massangana, 1989.

HIRSCHMAN, A.O. Política econômica na América Latina. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1965.

IGREJA, A.C.M.; PIRES DE CAMARGO, A.M.M. A agropecuária paulista. In: CANO, W. (coord.). São Paulo no limiar do século XXI. São Paulo: Fundação Seade, 1992, vol. 2.

MOREIRA, R. O Nordeste brasileiro: uma política regional de industrialização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

NORMANO, J.F. Evolução Econômica do Brasil. Coleção Brasiliana. Vol. 152. São Paulo: C. Ed. Nacional, 1939.

PAIVA, R.M.; SCHATTAN, S.; FREITAS, C.F.T. Setor agrícola do Brasil. São Paulo: IEA, 1973.

TAVARES, M.C. (org.) Celso Furtado e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

Periódicos

GONÇALVES, J.S.; SOUZA, S.A.M. Modernização da produção agropecuária brasileira e o velho dilema da superação da agricultura itinerante. In: Informações Econômicas. Vol. 28, n°. 4, 4/1998. São Paulo, Secretaria da Agricultura, 1998.

KAGEYAMA, A. A questão agrária brasileira: interpretações clássicas. In: Reforma Agrária, n°. 3. Vol. 23, set/dez1993. Campinas: Abra, 1993.

PAIVA, R.M. Retorno da agricultura de S. Paulo para as zonas velhas: fator imprescindível para o desenvolvimento econômico do País . In: Agricultura em São Paulo. Vol. 7, n°. 9, 9/1960. São Paulo: Secretaria da Agricultura, 1960.

PREBISCH, R. El desarrollo económico de la América Latina y algunos de sus principales problemas. In: Boletin Económico de América Latina. Vol. 7, set. 1962. Santiago, 1962.

Documentos mimeografados

ARAÚJO, T.B. La division interegionale du travail au Brésil et l’exemple du Nord-Est. Paris: Université de Paris, 1979. Mimeo.

PINTO, A.; KÑAKAL, J. El sistema centro-periferia 20 años después. Santiago: Cepal, 1971. Mimeo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br