Uma breve história do desenvolvimentismo no Brasil

José Maria Dias Pereira

Resumo


O ciclo de reformas neoliberais praticadas pelos países latino-americanos nas últimas duas décadas embora tivesse trazido, para alguns deles, crescimento econômico desviou-os do caminho do desenvolvimento, no sentido que é dado ao termo por Celso Furtado. A crescente incorporação da ideologia neoliberal nos textos de economia deixava para trás as políticas intervencionistas e, com elas, o legado do desenvolvimentismo. Não foram poucos os que afirmaram que Keynes estava definitivamente morto e enterrado. Porém, a forma como os países reagiram ante a recente crise financeira global provou que, ao contrário do que muitos supunham, Keynes está vivo e manda lembranças. Este artigo, tomando o Brasil como um “estudo de caso”, tem como proposta ajudar a retirar o pensamento econômico originado na Cepal do relativo esquecimento em que se encontra, dando uma pequena contribuição para sua necessária renovação diante do mundo globalizado.


Texto completo:

PDF

Referências


ALÉM, A. C. Macroeconomia – teoria e prática no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2010.

AURELIANO, L. M. No limiar da industrialização. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo 1930-1964. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

____________________. Cinquenta anos de pensamento da Cepal. (vols. I e II). São Paulo: Cofecon/Cepal/Record, 2000.

____________________. Formação econômica do Brasil: uma obra-prima do estruturalismo cepalino. Revista de Economia Política. São Paulo: Brasiliense, v.9 (4), out-dez. 1989.

BLANCHARD, O. Macroeconomia. 3ª ed. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2004.

BRESSER-PEREIRA, L. C. La estratégia de crecimiento con ahorro externo y la economía brasilieña desde princípios de la década del noventa. In: VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo em um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: Clacso, 2008.

CARDOSO, F. H. e FALETTO, E. (1970). Dependência e desenvolvimento na América Latina. 5ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. São Paulo: Difel, 1977.

CONCEIÇÃO TAVARES, M. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro. 3ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

DEAN, W. A industrialização de São Paulo. 2ª ed. São Paulo: Difel, 1976.

FERRER, A. Globalización, desarrollo y densidad nacional. In: VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: Clacso, 2008.

_______. Folha de S. Paulo. PIB cresce 7,5% e Brasil vira 7ª economia. São Paulo: 4 mar. 2011, p. B1.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 25ª ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1986.

_______. Entre inconformismo e reformismo. Revista de Economia Política. São Paulo: Brasiliense, v.9 (4), out-dez, 1989.

______. A fantasia organizada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

______. Celso Furtado – obra autobiográfica (tomo III), organização Rosa Freire d’Aguiar, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GRAY, J. Falso amanhecer: os equívocos do capitalismo global. Rio de Janeiro: Record, 1999.

KEYNES, J. M. (1936). Teoria geral: do emprego, do juro e do dinheiro. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1970.

MANTEGA, G. A economia política brasileira. Rio de Janeiro: Vozes, 1984.

________. Celso Furtado e o pensamento econômico brasileiro. Revista de Economia Política. São Paulo: brasiliense, v.9 (4), out-dez, 1989.

MEIER, G. M. (org.). Pioneers in Development. Washington: Oxford University Press, 1987.

MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.

PELÁEZ, C. M. História econômica do Brasil. São Paulo: Atlas, 1979.

PRADO JÚNIOR, C. (1945). História econômica do Brasil. 30ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

RICARDO, D. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

RODRÍGUEZ, O. La agenda del desarrollo (elementos para su discusión). In: VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: Clacso, 2008.

SILVA, S. Expansão cafeeira e origem da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa Omega, 1976.

STIGLITZ, J. E. A globalização e seus malefícios. São Paulo: Futura, 2002.

SUNKEL, O. Em busca del desarrollo perdido. In: VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: Clacso, 2008.

SUZIGAN, W. Indústria rasileira – origens e desenvolvimento. São Paulo: Brasiliense, 1986.

VANOLI, A. Crisis financieras em América Latina y necessidad de reforma de la arquitectura del sistema financiero global. In: VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: Clacso, 2008.

VIDAL, G. La expansión de las empresas transnacionales y la profundización del subdesarrolo. In: VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: clacso, 2008.

VIDAL, G. e GUILLÉN, R. A. (orgs.). Repensar la teoría del desarrollo en um contexto de globalización (homenaje a Celso Furtado). Buenos Aires: Clacso, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br