Evolução do empenho inovativo das ETS no Brasil, ao longo dos anos 2000

Liliane Cordeiro Barroso, Lia Hasenclever, Antônio Correa de Lacerda

Resumo


A contribuição do investimento direto externo (IDE) à inovação nos países em desenvolvimento pode ser considerado como um tema controverso na literatura econômica. O objetivo deste artigo é identificar a evolução desta contribuição para o desenvolvimento de atividades inovativas no Brasil. Adota-se uma análise empírica e exploratória das atividades inovativas realizadas pelas empresas transnacionais (ETs) a partir das pesquisas de inovação (PINTEC), de 2000 a 2008, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com foco em sua evolução quantitativa e qualitativa. Entre os principais resultados, destaca-se que, em geral, houve redução quantitativa no esforço inovativo das ETs ao longo do período investigado. Por outro lado, importantes mudanças qualitativas foram identificadas entre os tipos de atividades praticadas, com evolução positiva, em especial, para aspectos relacionados à realização de atividades internas de pesquisa e desenvolvimento (P&D).


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, R. D. Esforços tecnológicos das firmas transnacionais e domésticas. In: Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: Ipea, 2005.

ARBIX, G.; DE NEGRI, J. A. e SALERNO, M. S. Inovação, via internacionalização, faz bem para as exportações brasileiras. In: Proc. XVI Fórum Nacional Economia do Conhecimento, Crescimento Sustentado e Inclusão Social - INAE – Instituto Nacional de Altos Estudos, Estudos e Pesquisas, n. 61. Brasil: Rio de Janeiro, 2004.

BARROSO, L. C.; HASENCLEVER, L. Evolução do empenho inovativo das ETs no Brasil, ao longo dos anos 2000. In: XVI CONGRESO LATINO-IBEROAMERICANO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA – ALTEC 2015, 2015. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 2015.

BARROSO, L. C. Esforços Tecnológicos das Firmas Transnacionais no Brasil: um estudo da primeira década dos anos 2000. 2014. 298f. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M., (2005), “Tecnoglobalismo e o papel dos esforços de P&D&I das multinacionais no Brasil”, CGEE. Disponível em: www.cgee.org.br. Acesso em: 20 de abr. 2013.

COASE, R. The nature of the firm. Economica, New Series, v. 4, n. 16, p. 386-405, nov. 1937.

DE NEGRI, F.; LAPLANE, M. Fatores Locacionais e o Investimento Estrangeiro em P&D: evidências para o Brasil, Argentina e México. Texto para Discussão, n. 1454. Rio de Janeiro: IPEA, 2009.

DUNNING, J.H. Toward an eclectic theory of international production: some empirical tests. Journal of International Business Studies. Washington: Vol. 11, Iss. 1; p. 9-31, Spring/Summer, 1980.

DUNNING, J.H.; LUNDAN, S. M. Multinational enterprises and the global economy. Basingstoke: Edward Elgar, 2008.

FGV (Fundação Getúlio Vargas). IGP-M, Índice Geral de Preços – Mercado, Metodologia. Rio de Janeiro: IBRE/FGV (Instituto Brasileiro de Economia), 2010.

HYMER, S. (1960). The international operations of national firms: a study of FDI. Cambridge, Mass: MIT Press, 1976.

IBRE (Instituto Brasileiro de Economia), (2013), Portal IBRE/FGV, Fundação Getúlio Vargas. Disponível em . Vários acessos.

MATESCO, V. R.; HASENCLEVER, L. As empresas transnacionais e o seu papel na competitividade industrial e dos países: o caso do Brasil. In: VEIGA, P. M. (Org.). O Brasil e os desafios da globalização. Rio de Janeiro: SOBEET, pp. 161- 192, 2000.

OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Paris: OECD, 2005. Traduzido por Finep, 2006.

PINTEC (Pesquisa de Inovação Tecnológica): 2008 / IBGE. Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

______. 2005 / IBGE. Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

______. (Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica): 2003 / IBGE. Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2005.

______. (Pesquisa Industrial Inovação Tecnológica): 2000/ IBGE. Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

SCHUMPETER, J. A. (1911). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultura, 1997.

SOBEET (Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica). O Comportamento Tecnológico das Empresas Transnacionais em Operação no Brasil, Carta da SOBEET, nº14, São Paulo, 2000.

______. Recorde de US$ 34,6 bilhões de ingressos de Investimento Direto Estrangeiro (IDE) coloca Brasil na Quinta posição entre países em desenvolvimento. Boletim n. 52, ano VII, 28 jan. 2008, São Paulo, 2008.

UNCTAD (United Nations Conference on Trade and Development). World Investment Prospects Survey 2009-2011. United Nations, New York and Geneva, 2009. Disponível em: Acesso em: 02 set. 2011.

______. World Investment Report, United Nations, New York and Geneva, 2005.

VERNON, R. International investments and international trade in the product cycle.

Quarterly Journal of Economics, v. 80, p. 190-207, 1966.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Liliane Cordeiro Barroso, Lia Hasenclever, Antônio Correa de Lacerda

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por

   

 

Associados Patronos do Centro Celso Furtado