Reforma social do desenvolvimento: contribuições de André Rebouças (1838-1898) à interpretação das mudanças estruturais no Brasil

Humberto Miranda do Nascimento

Resumo


O presente artigo trata das raízes do subdesenvolvimento nacional por meio das contribuições de um dos expoentes do pensamento social brasileiro no fim do século XIX, o engenheiro André Rebouças. A originalidade do pensamento deste intérprete está no propósito central do seu programa de reformas, ou seja, somente abolindo o monopólio da terra estaria completo o processo da abolição do trabalho escravo e consolidada a passagem para o trabalho livre. Nosso objetivo é discutir este propósito, mostrando como Rebouças, muito cedo, defendeu uma perspectiva de emancipação social e um conjunto de reformas socioeconômicas que levassem à construção da nação. Considera-se que suas contribuições guardam enorme atualidade no que tange à crítica a um sistema de dominação econômico-territorial cuja dinâmica revela o caráter permanente de reprodução das desigualdades sociais e espaciais no Brasil.


Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, A. Ideias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BEIGUELMAN, P. A formação do povo no complexo cafeeiro: aspectos políticos. 3ª edição. São Paulo: EDUSP, 2005.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. 4ª edição. São Paulo: Editora UNICAMP, 1998.

CARVALHO, M. A. R. O quinto século: André Rebouças e a construção do Brasil. Rio de Janeiro: Revan: IUPERJ-UCAM, 1998.

COSTA, E. V. Abolição. 8ª edição. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

FURTADO, C. (1959). Formação econômica do Brasil. 34ª edição. São Paulo: Cia da Letras, 2007.

GRINBERG, K. O fiador dos brasileiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

JUCÁ, J. André Rebouças: reforma & utopia no contexto do segundo império. Rio de Janeiro: Odebrecht, 2001.

LESSA, C. André Rebouças: empresário e reformador social (Apresentação). In: JUCÁ, J. André Rebouças: reforma & utopia no contexto do segundo império. Rio de Janeiro: Odebrecht, 2001, pp. 01-08.

MAIA, J. M. E. A terra como invenção: o espaço no pensamento social brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

MARTINS, J. S. O cativeiro da terra. 9ª edição. São Paulo: Contexto, 2010.

MATTOS, H. M. e GRINBERG, K. O desaparecimento de Antônio Pereira Rebouças: memória, escravidão e liberalismo no Brasil. In: REIS FILHO, D. A. (org.). Intelectuais, história e política: século XIX e XX. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2000.

MELLO, E.C. (Org.). Essencial Joaquim Nabuco. São Paulo: Penguin/Cia das Letras, 2010.

NOGUEIRA, M.A. O encontro de Joaquim Nabuco com a política: as desventuras do liberalismo. 2ª ed. rev. e ampliada. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

PÁDUA, J.A. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

REBOUÇAS, A. Agricultura nacional: estudos econômicos. (Estudo introdutório de Joselice Jucá) 2ª edição. Série Abolição, 4. Recife, PE: FUNDAJ, Editora Massangana, 1988.

_______. Diário e notas autobibliográficas. Col. Documentos Brasileiros, v. 12. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

SANTOS, M. Espaço e Sociedade. Petrópolis: Vozes, 1980.

SANTOS, S. M. G. André Rebouças e seu tempo. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

SILVA, L. O. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da Lei de 1850. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

TRINDADE, A. D. André Rebouças, um engenheiro do Império. São Paulo: HUCITEC: FAPESP, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br