Aspectos estruturais da economia brasileira: heterogeneidade estrutural e inserção externa de 1996 a 2009

Camila Gramkow, José Luis Gordon

Resumo


O presente trabalho analisa as características estru­turais da economia brasileira de 1996 a 2009 no con­texto do pensamento cepalino. Em particular, analisa a heterogeneidade estrutural e a inserção externa, apon­tando suas principais tendências e identificando seus desdobramentos sobre o desenvolvimento econômico de longo prazo do país. O trabalho traz evidências de que, apesar de apresentar transformações significativas em sua economia, o país vem reproduzindo e aprofun­dando suas características estruturais (heterogenei­dade estrutural e especialização do setor externo), que agravam a restrição externa, comprometendo o cresci­mento econômico de longo prazo.


Texto completo:

PDF

Referências


BANCO MUNDIAL. World Development Indicators. Washington: World Bank, 2013. Disponível em: .

BONELLI, R.; BACHA, E. Crescimento brasileiro revisitado. In: VELOSO, F.; GIAMBIAGI, F.; PESSOA, S. (Orgs.). Desenvolvimento econômico: uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Campus, 2012. p. 236–262.

CARBINATO, D.; CORREA, D. Aspectos estruturais da vulnerabilidade externa brasileira: análise do fluxo comercial do país para o período recente. In: Informações Fipe, v. 245, n. Jun, p. 28–34, 2009.

CARVALHO, V.; LIMA, G. T. Crescimento econômico sob restrição externa: a experiência brasileira no período 1930-2004. Anais do XI Encontro Nacional de Economia Política, 2005.

CASTRO, A. B. Antonio Barros de Castro: o inconformista. Brasilia: Ipea, 2011.

CEPAL. La hora de la igualdad: brechas por cerrar, caminos por abrir. Santiago: Cepal/ ECLAC, 2010.

FAJNZYLBER, F. Competitividad internacional: evolución y lecciones. In: Revista de la Cepal, n. 36, p. 7–24, 1988.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1959.

GRAMKOW, C. L. Da restrição externa às emissões de gases do efeito estufa: uma análise da insustentabilidade econômica e ambiental do atual modelo econômico brasileiro. 2011. Dissertação (Mestrado em Economia) - Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2011.

GRAMKOW, C. L.; GORDON, J. L. As características estruturais da inserção externa brasileira e suas principais implicações - 2000 / 2010. In: Cadernos do Desenvolvimento, v. 6, n. 9, p. 93–118, 2011.

JAIN, T. S.; SANDHU, A. S. Quantitative Methods. New Delhi: V.K. Publications, 2009.

JAYME JR, F. G.; RESENDE, M. F. C. Crescimento econômico e restrição externa: teoria e a experiência brasileira. In: MICHEL, R.; CARVALHO, L. (Orgs.). Crescimento econômico: setor externo e inflação. Brasília: Ipea, 2009. p. 15–45.

KUPFER, D.; ROCHA, C. F. Dinâmica da produtividade e heterogeneidade estrutural na indústria brasileira. Santiago: Cepal/ECLAC, 2004.

LALL, S. The technological structure and performance of developing country manufactured exports, 1985-1998. In: Oxford Development Studies, v. 28, n. 337-369, 2000.

OCAMPO, J. A. Beyond reforms - structural dynamics and macroeconomic vulnerability. Palo Alto: Stanford University Press, 2005.

OCAMPO, J. A.; PARRA, M. The commodity terms of trade and their strategic implications for development. In: SUNDARAM, J. K. (Ed.). Globalization under hegemony. Oxford University Press, 2006.

PINTO, A. Concentración del progreso técnico y de sus frutos en el desarrollo latino-americano. In: El Trimestre Económico, v. 32, n. 125, p. 3–69, 1965.

______. Natureza e implicações da heterogeneidade estrutural da América Latina. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento da Cepal. Rio de Janeiro: Record, Cepal, Cofecon, 1970 [2000].

PORCILE, G. Heterogeneidade estrutural: conceito e evidências. In: Economia & Tecnologia, v. 21, n. 6, 2010.

PREBISCH, R. Problemas teóricos e práticos do crescimento econômico. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento da Cepal. Rio de Janeiro: Record, Cepal, Cofecon, 1952[2000].

RODRÍGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SQUEFF, G. C. Desindustrialização: luzes e sombras no debate brasileiro (Texto para Discussão, n. 1747 jun, 2012).

TAVARES, M. E. E. Análise do refino no Brasil: estado e perspectivas - uma análise “crosssection.” 2005. Doutorado (Planejamento Energético) - Coppe, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2005.

THIRLWALL, A. P. The balance of payments constraint as an explanation of international growth rate differences. In: Banca Nazionale del Lavoro Quarterly Review, v. 128, n. Mar, p. 45–53, 1979.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




            

A edição n. 28 de Cadernos do Desenvolvimento teve apoio da Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Projeto "Desafios para o Sistema Único de Saúde no contexto nacional e global de transformações sociais, econômicas e tecnológicas - CEIS 4.0" (Fiocruz/Fiotec)

 

CADERNOS do DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

secretaria@centrocelsofurtado.org.br