A expansão do mercado de crédito brasileiro no período 2004-2009: determinantes, condicionantes e sustentabilidade

Norberto Montani Martins, Camila de Araújo Ferraz

Resumo


A partir de 2004 um novo padrão de crescimento continuado do volume de crédito no Brasil sinalizou a ampliação e o aprofundamento desse mercado no país, principalmente do crédito às Pessoas Físicas. O objetivo geral deste trabalho é apresentar um panorama da evolução do crédito no Brasil no período 2004-2009, destacando os fatores que permitiram esta inédita expansão e dando ênfase aos condicionantes macroeconômicos, bem como às mudanças institucionais deste mercado. De modo específico, busca-se analisar que fatores determinaram a intensa expansão verificada no segmento de Pessoas Físicas, ressaltando a instituição do crédito consignado. Constatou-se que a melhora do ambiente macroeconômico, o crescimento do emprego e a elevação da massa salarial, aliados à instituição do crédito consignado em folha de pagamento, foram os principais determinantes deste desempenho. Este comportamento se mostrou sustentável, tanto em termos de risco quanto de prolongamento, ao longo do período, a despeito da crise financeira internacional.


Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, F. (2005) “Inovação financeira e regulação prudencial: da regulação de liquidez aos acordos da Basiléia”, cap. 6 em Sobreira, R. Regulação Financeira e Bancária. São Paulo, Atlas.

CARVALHO, F. J. C.; Souza, F. E. P. de; SICSÚ, J.; PAULA, L. F. R. de; e STUDART, R. (2007a). Economia Monetária e Financeira: Teoria e Política. Rio de Janeiro: Campus. Cap. 13 e 15-18.

CARVALHO, F. J. C. (2007b) Sobre a Preferência pela Liquidez dos Bancos. Sistema Financeiro: Uma Análise do Setor Bancário Brasileiro. Capítulo 1, pp. 3-21, Ed. Elselvier, São Paulo.

____________________ (2009). “Reformas Financeiras para Apoiar o Desenvolvimento”, mimeo.

DAVIDSON, P. (1972) Money and The Real World. Wiley.

DEQUECH, D. (2008) Varieties of uncertainty: a survey of the economic literature. Anais do XXXVI Encontro Nacional de Economia.

EICHNER, A.S. (1976) The Megacorp and Oligopoly. Caps 2 e 3, pp. 19-107. Cambridge University Press.

FERRARI FILHO, F. & CAMARGO CONCEIÇÃO, O. (2005) A The Concept of Uncertainty in Post Keynesian Theory and in Institutional Economics. Journal of Economic Issues. Vol. XXXIX n. 3, setembro.

KALECKI, M. (1937). Principle of increasing risk. Economica, nº 4. November 1937.

KEYNES, J.M. (2007) A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Ed. Atlas, 1ª ed., 13ª reimpressão, São Paulo [Keynes, J.M. (1936) The General Theory of Employment, Interest and Money. Macmillan Cambridge University Press].

LEVINE, Ross (2004). “Finance and Growth: theory and evidence”. Paper prepared for the Handbook of Economic Growth. Carlson School of Management, University of Minnesota and the NBER.

HERMANN, J. (2002a) Financial Structure and Financing Models: The Brazilian Experience over the 1964-1997 Period. Journal of Latin American Studies, 34. Rio de Janeiro.

_____________.(2002b) Liberalização e Crises Financeiras: o debate teórico e a experiência brasileira nos anos 1990. Tese de Doutoramento. Cap 3/6/8. Rio de Janeiro: Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IE/UFRJ).

MARTINS, N. M. (2009) Mercado Acionário Brasileiro: Uma Análise Qualitativa da Expansão de 2004-2008. Capítulo I, Monografia (Bacharelado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MINSKY, H. P. (1986) Stabilizing an Unstable Economy. New Haven, Yale University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Norberto Montani Martins, Camila de Araújo Ferraz

Curta a página de CADERNOS do DESENVOLVIMENTO


CADERNOS DO DESENVOLVIMENTO é uma publicação do
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento

Av. Rio Branco, 124, sl 1304, Ed. Edison Passos, Centro, Rio de Janeiro-RJ, 20040-001
Tel.: +55(21) 2178-9540
cadernos@centrocelsofurtado.org.br 

Indexado por